Andifes lança nota reivindicando Plano Nacional de Imunização contra a Covid-19

Atualizado em 13/01/2021 às 14h51

Arte: Divulgação - Andifes

A Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes) publicou nota (link para uma nova página) nesta terça-feira, 12 de janeiro de 2021, reivindicando às autoridades responsáveis que acelerem a disponibilização de vacinas contra a Covid-19: a doença causada pelo novo coronavírus (SARS-CoV-2). No texto, a Andifes exalta a ciência brasileira, encabeçada no país pelas universidades públicas, e critica o uso político das vacinas disponíveis: “A sociedade brasileira não pode e nem deve tolerar nenhum tipo de uso político da vacina, bem como não são aceitáveis quaisquer privilégios de qualquer natureza para acesso ao imunizante”, disse.

O Brasil ainda não iniciou o seu plano de imunização, ao contrário de países como Argentina, México, Costa Rica e Chile – todos também da América Latina. Atualmente, Israel, Emirados Árabes, Estados Unidos, Reino Unido, Itália, Canadá, Espanha, Alemanha, China e Rússia lideram, nesta ordem, a imunização de suas respectivas populações contra a enfermidade, que já provocou a morte de quase 2 milhões de pessoas em todo o mundo.

Leia a nota da Andifes, na íntegra:

A Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes) vem a público conclamar as autoridades responsáveis a acelerarem a disponibilização do Plano Nacional de Imunização (PNI) contra a Covid-19 de execução abrangente e acessível a todos os brasileiros.

É sabido que o locus da ciência brasileira se encontra nas universidades públicas, as quais, desde o início da pandemia, se apresentaram para o enfrentamento do Coronavírus, a postos com seus laboratórios, seus pesquisadores, seus hospitais e toda a sua estrutura.

Da mesma forma, sabemos que o Sistema Único de Saúde – SUS tornou possível que o Brasil dispusesse de um dos melhores e mais abrangentes programas públicos de imunizações do mundo, responsável pela prevenção, controle e extinção de várias doenças. Portanto, a vacinação contra a Covid-19 deve ocorrer exclusivamente por meio do SUS.

O que o Brasil necessita agora é de um Plano Operacional de Imunização, usando todas as vacinas aprovadas pela Anvisa, que contemple a todos os brasileiros gratuitamente, seguindo critérios de priorização técnicos e humanitários. A sociedade brasileira não pode e nem deve tolerar nenhum tipo de uso político da vacina, bem como não são aceitáveis quaisquer privilégios de qualquer natureza para acesso ao imunizante.

A saúde do povo e a economia do País exigem responsabilidade e ação imediata dos poderes públicos. Defendemos que toda a população brasileira tenha garantido seu direito à vacina, em campanha coordenada pelo Ministério da Saúde, envolvendo todos os entes federativos, com a eficiência e celeridade necessárias para garantir que tenhamos a superação dessa pandemia com a maior brevidade.

Ancorado na ciência, o momento deve ser de união e solidariedade. A vacina é um direito de todos!

Brasília, 12 de janeiro de 2020.