Interdisciplinar de Ciências Naturais e Matemática

Graduação / LICENCIATURA

Atualizado em 16/05/2022 às 09h09

Período
Noturno
Tipo
Presencial
Duração
3 anos
Vagas
40
Campus
Brejo Santo

Coordenação: Prof. PAULO GONCALO FARIAS GONCALVES

cienciasematematica.ife@ufca.edu.br

(88) 3221-9591

Bloco Único, Sala 9

O curso de Licenciatura Interdisciplinar em Ciências Naturais e Matemática da UFCA (LICN) é integral, ofertado no campus Brejo Santo. Seu ingresso se dá pelo Sistema de Seleção Unificada (SiSU), com 60 vagas anuais. A LICN dura pelo menos 6 semestres, com formação geral nas chamadas Ciências Naturais (Química, Física e Biologia) e também no campo da Matemática, tornando seus egressos aptos a ministrarem essas disciplinas no Ensino Fundamental. A partir do quarto semestre, o curso possibilita aos estudantes o ingresso em um segundo ciclo, para o aprofundamento dos estudos em uma das 4 áreas contempladas pelo curso geral. Assim, os egressos, caso queiram, podem deixar a UFCA com dois diplomas: um da LICN e outro, de uma Licenciatura em Química, Física, Biologia ou Matemática.

Semestre 1

PRINCÍPIOS DE MATEMÁTICA IFE0022 - 64 horas
Carga Horária

64 horas.

Professores
Ementa

Conjunto dos números reais e desigualdades; retas e coordenadas; circunferências e gráficos de equações; funções; função polinominal e função racional; função composta e função inversa.

Bibliografia
  • Gelson Iezzi. Fundamentos da Matemática Elementar Vol 1. . Atual. 2013
  • Elon Lages Lima. A matemática do ensino médio. . SBM. 2013
LABORATÓRIO DE PRÁTICA PEDAGÓGICA I IFE0023 - 96 horas
Carga Horária

96 horas.

Professores
Ementa

Análise de propostas para o Ensino de Ciências e Matemática no Ensino Fundamental. Fundamentos teóricos e metodológicos para o ensino de Ciências e Matemática: os paradigmas educacionais na Educação em Ciências e Matemática, Experimentação; TIC's e recursos audiovisuais, resolução de problemas, modelos e modelagem, atividades lúdicas, textos paradidáticos.

Bibliografia
  • POZO, J. I.; CRESPO, M. A. G.. Aprender Y enseñar ciência: del conocimiento contidiano al conocimiento científico.. . Morata. 2013
  • MORAES, R.. Construtivismo e o Ensino de Ciências - Reflexões Epistemológicase Metodológicas.. . EdiPUCRS. 2008
  • CAMPOS, M. C. C.; NIGRO, R. G.. Didática das Ciências. . FTD. 1999
INFORMÁTICA EDUCATIVA IFE0026 - 32 horas
Carga Horária

32 horas.

Professores
Ementa

A informática como prática pós-moderna. História da informática educativa: o uso do computador como ferramenta pedagógica. A internet e suas interfaces com a educação. A prática pedagógica pós-moderna e a participação do computador em sala de aula.

Bibliografia
  • Cefomidia: ampliando os horizontes pedagógicos da comunidade acadêmica de Brejo Santo-Ce
  • As contribuições da Educomunicação para a construção de uma prática pedagógica mais democrática
  • Uma classificação sobre a utilização do computador pela escola
  • Computadores e Conhecimento: repensando a educação
  • Ensaio sobre as Tecnologias digitais da Inteligência
  • Informática educativa no Brasil: uma história vivida, algumas lições aprendidas
  • Educação Tradicional e Educação Moderna
  • A aprendizagem de conceitos com o auxílio do Computador
METODOLOGIA DO TRABALHO CIENTÍFICO IFE0027 - 64 horas
Carga Horária

64 horas.

Professores
Ementa

O método de trabalho da ciência moderna e sua influência no modelo de conhecimento acadêmico. Pré-requisitos do Trabalho Científico. Visão geral do trabalho científico. A ciência da antiguidade e suas diferenças de concepção em relação à ciência moderna. Tipos de conhecimento: senso comum, conhecimento religioso, conhecimento científico. A pesquisa acadêmica: tipos e natureza das pesquisas acadêmicas. Elaboração de trabalhos científicos. Formas de leitura e síntese textual: Fichamento, Resumo, Mapa Conceitual, Resenha, Artigo Acadêmico.

Bibliografia
  • Antonio Joaquim Severino. Metodologia do Trabalho Científico. . Cortez. 2017
PRODUÇÃO TEXTUAL IFE0028 - 64 horas
Carga Horária

64 horas.

Professores
Ementa

1. A leitura como método de interpretação do discurso. 2. A interpretação de textos. 3. A produção escrita textual. 4. A diferença entre oralidade e escrita. 5. A linguagem e os seus pressupostos: o discurso argumentativo, a sua função, natureza e divisão. 6. Coesão e coerência. 7. Tipos de textos: paráfrases; resumo, narração, descrição; dissertação, artigo, monografia e petição inicial. 8. Prática pedagógica de escrita a partir dos preceitos técnicos da ABNT.

Bibliografia
  • ANTUNES, Irandé Costa. Lutar com Palavras: coesão e coerência. São Paulo: Parábola, 2005. KASPARY, Adalberto J. Português para profissionais. 22. ed.. Porto Alegre: Edita, 2003. 235 p. ISBN 85-86188-04-2. KASPARY, Adalberto. Português em Exercícios: Com soluções. 6.ed. Porto Alegre: Edita, 2007. 240 p. ISBN 8571550581. KOCK, Vanilda Salton, BOFF, Odete Maria Benetti e PAVANI, Cínara Ferreira. Prática Textual: atividades de leitura e escrita. Petrópolis: Vozes, 2006.
DIREITOS HUMANOS E EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS IFE0089 - 32 horas
Carga Horária

32 horas.

Professores
Ementa

Educação para os direitos humanos e a cidadania. A percepção dos direitos humanos e da cidadania na construção das lutas sociais e na constituição de outros sujeitos de direito. Experiências de organização, práticas políticas e estratégias sociais de criação dos direitos humanos. Movimentos sociais e os Direitos Humanos.

Bibliografia
  • Lima, R. D. V.; Queiroz, G. R. P. C.. Educação em Ciências e Direitos Humanos: reflexão-ação em/para uma sociedade plural.. . Multifoco.. 2013
  • DORNELLE, João Ricardo W. O que são Direitos Humanos. . Brasiliense.. 2013
  • Andrade, M.; Lucinda, M. C.; Candau, V. M.; Paulo, I.; Sacavino, S.; Amorim, V.. Educação em Direitos Humanos e Formação de Professores. . Cortez.. 2013
  • RABENHORST, Eduardo R.. O que são Direitos Humanos.. . Editora Universitária/UFPB. 2008
PRINCÍPIOS DE CIÊNCIAS NATURAIS IFE0288 - 64 horas
Carga Horária

64 horas.

Professores
Ementa

Introdução a Ciências Naturais. Campos das Ciências Naturais. Terra e Universo. Ciclo da matéria no sistema terra, integração e energia dos sistemas terrestres Vida e Ambiente. Ser Humano e saúde. Tecnologia e sociedade.

Bibliografia
  • INTRODUÇÃO AS CIÊNCIAS NATURAIS

Semestre 2

FÍSICA I IFE0016 - 64 horas
Carga Horária

64 horas.

Professores
Ementa

Grandezas físicas. Notação científica. Algarismos significativos. Sistema Internacional de Unidades. Movimentos em uma dimensão. Vetores. Movimentos em duas e três dimensões. As leis de Newton. Aplicações das leis de Newton. Energia e sua conservação. Sistemas de partículas e conservação do movimento linear. Movimento rotacional. Dinâmica do Movimento de Rotação. Equilíbrio e elasticidade.

Bibliografia
  • PhET Interactive Simulations
  • Revista Brasileira de Ensino de Física
  • Grupo de Reelaboração do Ensino de Física
  • The Feynman Lectures Website
ESTUDOS SÓCIO-HISTÓRICOS E CULTURAIS DA EDUCAÇÃO IFE0017 - 32 horas
Carga Horária

32 horas.

Professores
Ementa

Introdução ao estudo da Sociologia no plano teórico-conceitual, abordando a temática dos grupos, das organizações e instituições sociais, nos processo sociais básicos. Conceito de cultura. Natureza e cultura. relativismo cultural. Etnocentrismo. Diversidade cultural, focando os processo de educação, subjetividade e relações humanas nas suas dimensões culturais.

Bibliografia
  • SANTOS, José Luiz dos.. O que é cultura. . Brasiliense. 2012
  • DURKHEIM, Émile.. Educação e Sociologia.. . Hedra. 2010
  • BRANDÃO, Carlos Rodrigues.. O que é educação.. . Brasiliense. 2007
  • GIDDENS, A.. Sociologia. . Artmed. 2005
  • MARTINS, Carlos Benedito.. O que é sociologia. . Brasiliense. 1994
  • BERGER, Peter L.; LUCKMANN, Thomas.. A construção social da realidade: tratado de sociologia do conhecimento.. . Vozes. 1985
BIOLOGIA CELULAR IFE0019 - 64 horas
Carga Horária

64 horas.

Professores
Ementa

Introdução à biologia celular; células procarióticas e eucarióticas; métodos de estudo na biologia celular; estrutura e função das membranas biológicas, do cicloesqueleto e das organelas citoplasmáticas; parede celular; interações célula-célula e célua-matriz extracelular; núcleo interfásico e em divisão.

Bibliografia
  • Bruce Alberts. et al.. Fundamentos da Biologia Celular. . Bruce Alberts. et al.. 2011
CÁLCULO I IFE0020 - 64 horas
Carga Horária

64 horas.

Professores
Ementa

Limites e continuidade de funções reais de uma variável real. Derivadas de função de uma variável e aplicações das derivadas. Noções de integral.

Bibliografia
  • ÁVILA, G. Cálculo das funções de uma variável real. Vol. 1. 7ª. Edição. Rio de Janeiro: Editora LTC, 2012.
  • LEITHOLD, Louis. Cálculo com geometria analítica. Vol.1, 3a ed. São Paulo:Harbra, 1994.
  • GUIDORIZZI, H. L. Um Curso de Cálculo Volume 1. 5ª. Edição. Rio de Janeiro: Editora LTC, 2001.
  • STWART, James. Cálculo. Vol.1, 6.a ed. São Paulo: Cengage Learning, 2011.
DIDÁTICA GERAL IFE0024 - 64 horas
Carga Horária

64 horas.

Professores
Ementa

1. Os aspectos históricos e as perspectivas atuais da didática: reflexão para o trabalho docente. 2. A educação no contexto socioeconômico mundial e brasileiro e as atribuições do trabalho docente. 3. Função social da escola no paradigma contemporâneo. 4. A natureza, os princípios e fundamentos da ação docente. 5. Didática e tendências pedagógicas. 6. As diferentes formas de ensino como planos de organização e processos de interação entre sociedade e escola. 7. Organização do trabalho docente. 8. Planejamento do trabalho docente na perspectiva disciplinar e interdisciplinar. 9. Prática pedagógica e didática, a partir dos preceitos estudados na disciplina e de atividades pedagógicas orientadas pelo professor.

Bibliografia
  • SILVA, Tomaz Tadeu. Documentos de identidade: uma introdução às teorias do currículo. Belo Horizonte: Autêntica, 2005.
  • TARDIF, Maurice. Saberes docentes e formação docente. Petrópolis: Vozes, 2002.
  • VEIGA, Ilma Passos (org.). Lições de Didática. São Paulo: Papirus, 2006.
  • VEIGA, Ilma Passos (org.). Lições de Didática. São Paulo: Papirus, 2006.
  • BEHRENS, Marilda Aparecida. Paradigma da Complexidade: metodologia de projetos, contratos didáticos e portfólios. Rio de Janeiro: Vozes, 2006.
  • FRIGOTTO, Gaudêncio. A experiência do trabalho e a educação básica. Rio de Janeiro: DP&A, 2002.
  • PIMENTA, S. G. (org). Saberes pedagógicos e atividade docente. 3. ed. São Paulo: Cortez, 2002.
  • LIBANEO, J.C. Adeus professor, adeus professora? 13ed. São Paulo: Cortez, 2011.
  • CORDEIRO, Jaime. Didática. São Paulo: Contexto, 2013.
QUÍMICA GERAL IFE0025 - 64 horas
Carga Horária

64 horas.

Professores
Ementa

Conteúdos básicos de Química para o entendimento de tecnologias presentes no cotidiano e adequado para serem desenvolvidos pelo licenciando em sua prática docente: primeiros modelos de constituição da matéria, radioatividade, tabela periódica, conceito de mol, ligações químicas, compostos moleculares e iônicos, polaridade, forças intermoleculares, funções químicas, indicadores, equações químicas e eletroquímicas.

Bibliografia
  • 3. BRADY, James E.; HUMISTON, Gerard E. Química geral. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos, 2016. 2 v. ISBN 9788521604488 (broch. vol.1).
  • 2. KOTZ, John C.; TREICHEL, Paul; VICHI, Flávio Maron. Química geral e reações químicas. São Paulo: Cengage Learning, 2005. 2 v. ISBN 8522104271 (broch.: v.1).
  • 1. ATKINS, P. W. Princípios de química: Questionando a vida moderna e o meio ambiente. 3ª. ed. Porto Alegre: Bookman, 2006. 965 p. ISBN 8536306688 (enc.).
  • 5. MIESSLER, G.L. et al. Inorganic chemistry. 4ª Ed. Pearson Education, 2004.
  • 4. CHANG, R., Química Geral, McGraw-Hill, 4ª. Ed, 2010.
  • 3. LEE, J. D. Química inorgânica não tão concisa. São Paulo: Edgard Blücher, 1999. xiii, 527 p. ISBN 8521201761 (broch.).
  • 2. SHRIVER, Duward F.; ATKINS, P. W. Química inorgânica. 4ª. ed. Porto Alegre: Bookman, 2008. 848p. ISBN 9788577801992( broch.).
  • 1. RUSSELL, John Blair. Química geral. 2ª. Ed. São Paulo: Makron Books, 1994. 2 v. ISBN 8534601925 (broch.).
LABORATÓRIO DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS II IFE0029 - 96 horas
Carga Horária

96 horas.

Professores
Ementa

Planejar e desenvolver projetos de pesquisas interdisciplinares e materiais didáticos em ensino-aprendizagem de Ciências e Matemática a partir da discussão de temáticas (Temas transversais) para o ensino fundamental, promovendo a apropriação do uso de técnicas de pesquisa pelo aluno.

Bibliografia
  • HERNANDEZ, F.; VENTURA, M.. A organização do currículo por projetos de trabalho: o conhecimento é um caleidoscópio. . Artmed. 2017
  • CARVALHO, A. M. P. (Org.).. Ensino de Ciências: unindo a pesquisa e a prática. . Cengage Learning. 2016
  • FAZENDA, I. C. A.. Interdisciplinaridade: História, Teoria e Pesquisa. . Papirus. 2012

Semestre 3

MATEMÁTICA I IFE0021 - 64 horas
Carga Horária

64 horas.

Professores
Ementa

Segmentos de reta, ângulos, triângulos, paralelismo, perpendicularidade, quadriláteros, polígonos, circunferência e círculos, teorema de Tales e polígonos regulares. Ponto, reta, plano e espaço. Prismas. Paralelepípedos. Pirâmides. Poliedros. Esferas. Cilindros, cone, esfera. Rotação de Euler.

Bibliografia
  • LIMA, E. L.Medidas e Formas em Geometria. Coleção do Professor de Matemática. n.o 3. Rio de Janeiro. Sociedade Brasileira de Matemática. 2a Edição. 1997.
  • DOLCE, O.; POMPEO, J. N. Fundamentos de Matemática Elementar. 5 ed. v. 10. São Paulo: Atual, 1993. (Geometria Espacial)
  • DOLCE, O.; POMPEO, J. N. Fundamentos de Matemática Elementar. 7 ed. v. 9. São Paulo: Atual, 2003. (Geometria Plana)
LABORATÓRIO DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS III IFE0030 - 96 horas
Carga Horária

96 horas.

Professores
Ementa

Construção e validação de sequência de ensino de aprendizagem a partir dos projetos e materiais didáticos desenvolvidos LPPII. Organização e Desenvolvimento de Mostra de Materiais Didáticos para o ensino de Ciências e Matemática.

Bibliografia
  • Antonio Flavio Moreira e Vera Maria Candau. Currículos, disciplinas escolares e culturas. 1. Editora Vozes. 2018
DIVERSIDADE BIOLÓGICA IFE0031 - 64 horas
Carga Horária

64 horas.

Professores
Ementa

Visão geral da diversidade biológica (de procariontes e eucariontes possuidores de tecidos verdadeiros). Sistemas de classificação dos seres vivos (artificiais e naturais). Nomenclatura binomial lineana e suas derivações. categorias taxonômicas e o sistema de hierarquias; Diversidade de procariontes e eucariontes (Procariontes, Fungos, Plantas e Animais). História evolutiva da diversidade biológica. Relações do homem com o seu ambiente; Fatores geradores da perda da biodiversidade e consequências; Importâncias das medidas de diversidade biológica e de sua manutenção.

Bibliografia
  • Lopes, S. G. B. C., Chow, F., Lahr, D. J. G., & Turrini, P. (2014). Processos evolutivos. In Diversidade biológica, História da vida na Terra e Bioenergética. São Paulo: USP/Univesp/Edusp
  • Lopes, S. G. B. C., Chow, F., Lahr, D. J. G., & Turrini, P. (2014). Noções de evolução biológica. In Diversidade biológica, História da vida na Terra e Bioenergética. São Paulo: USP/Univesp/Edusp
  • Lopes, S. G. B. C., Chow, F., Lahr, D. J. G., & Turrini, P. (2014). Panorama histórico da classificação dos seres vivos e os grandes grupos dentro da proposta atual de classificação. In Diversidade biológica, História da vida na Terra e Bioenergética. São Paulo: USP/Univesp/Edusp.
  • Lopes, S. G. B. C., Chow, F., Lahr, D. J. G., & Turrini, P. (2014). Procariontes. In Diversidade biológica, História da vida na Terra e Bioenergética. São Paulo: USP/Univesp/Edusp
  • Lopes, S. G. B. C., Chow, F., Lahr, D. J. G., & Turrini, P. (2014). Introdução à classificação dos eucariontes e estudo dos Amebozoa e Rhizaria. In Diversidade biológica, História da vida na Terra e Bioenergética
  • PRIMACK, R B. E &. E. RODRIGUES. 2001. Biologia da Conservação. Ed. Planta, Londrina.
  • B. REECE, et al. Biologia de Campbell 17ª ed. Porto Alegre, Artmed, 2017
  • BRUSCA, R.; BRUSCA, G.J. Invertebrados. 2ª ed. Guanabara Koogan. 2007
  • RIDLEY, MARK. Evolução. 3ª ed. Porto Alegre, Artmed, 2006- CAPÍTULO 13
  • ICUDO, C. E. M; PRADO, J. Tradução do Código Internacional de Nomenclatura Botânica. São Paulo: Rima Editora. 2012
  • PAPAVERO, N. 1994. Fundamentos Práticos de Taxonomia Zoológica. Ed. UNESP, São Paulo. 285 p. CAPÍTULO 8 ? Nomenclatura Zoológica
QUÍMICA GERAL DOS SERES VIVOS IFE0032 - 64 horas
Carga Horária

64 horas.

Professores
Ementa

Hidrocarbonetos e fontes de energia, obtenção natural dos compostos orgânicos, funções orgânicas básicas, drogas e aplicação industrial dos compostos orgânicos. Estruturas e funções das proteínas, carboidratos e lipídios, a fim de perceber a importância destas moléculas para o organismo vivo. Estudo do metabolismo geral do organismo, correlacionando às diversas reações que nele ocorrem, bem como as suas funções.

Bibliografia
  • BRUICE, P.Y. et al. Química Orgânica. Vol.1 e 2, São Paulo, SP: Prentice Hall, 2006.
  • ALLINGER, N. et al. Química orgânica. 2ª ed. Rio de Janeiro: LTC, 2009.
  • SOLOMONS, T.W. et al. Química Orgânica. Vol.1 e 2, 8ª. Ed. Rio de Janeiro: LTC, 2006
  • BROWN, T.L. et al. Chemistry: The central science, Prentice Hall, Pearson,12ª. Ed., 2012.
  • MCMURRY, J. Química Orgânica. Vol.1 e 2, São Paulo, SP: Thomson, 2005
FÍSICA II IFE0033 - 64 horas
Carga Horária

64 horas.

Professores
Ementa

Gravitação. Fluidos. Movimento Oscilatório. Ondas em meios elásticos. Ondas Sonoras. Temperatura e Calor. Primeira Lei da Termodinâmica. Propriedade dos Gases. Entropia e a Segunda Lei da Termodinâmica. Teoria Cinética dos Gases.

Bibliografia
  • HALLIDAY, David & RESNICK, R.. FISICA VOLUME 2: ONDAS, GRAVITAÇÃO E TERMODINÂMICA.. 10 EDIÇÃO. LTC. 2016
  • HALLIDAY, David & RESNICK, R.. FISICA VOLUME 2: ONDAS, GRAVITAÇÃO E TERMODINÂMICA.. 10 EDIÇÃO. LTC. 2016
  • HALLIDAY, David & RESNICK, R.. FISICA VOLUME 2: ONDAS, GRAVITAÇÃO E TERMODINÂMICA.. 10 EDIÇÃO. LTC. 2016
  • HALLIDAY, David & RESNICK, R.. FISICA VOLUME 2: ONDAS, GRAVITAÇÃO E TERMODINÂMICA.. 10 EDIÇÃO. LTC. 2016
  • HALLIDAY, David & RESNICK, R.. FISICA VOLUME 2: ONDAS, GRAVITAÇÃO E TERMODINÂMICA.. 10 EDIÇÃO. LTC. 2016
  • SEARS, F; YOUNG, H. D.; FREEDMAN, R. A.; ZEMANSKY, M. W.. FISICA 2 ? TERMODINAMICA E ONDAS.. 12ª EDIÇÃO. PEARSON. 2008
PSICOLOGIA DA APRENDIZAGEM IFE0034 - 64 horas
Carga Horária

64 horas.

Professores
Ementa

A infância sob o olhar da Psicologia da educação. O que é a infância? As principais características da aprendizagem infantil. Principais correntes psicológicas a pesquisar a aprendizagem: Construtivismo (Piaget); Sócio-Interacionismo (Vigotsky); Teoria da Afetividade (Wallon); Behaviorismo (Skinner); Psicanálise (Freud).

Bibliografia
  • WALLON, H.. Do ato ao pensamento: ensaio de psicologia comparada. 1. Vozes. 2008
  • NUNES, A. I. B; SILVEIRA, R. N.. Psicologia da Aprendizagem: processos, teorias, contextos.. 1. Liber Livro. 2008
  • VYGOTSKY, L.. Pensamento e linguagem. 12. Ícone Editora. 2001
  • Piaget, Jean. Jean Piaget. O nascimento da inteligência na criança. 4. LTC. 1987. 4. LTC. 1987

Semestre 4

QUÍMICA INORGÂNICA I IFE0036 - 64 horas
Carga Horária

64 horas.

Professores
Ementa

propriedades periódicas; Oxigênio, Hidrogênio; Água; Coloides; Metais Alcalinos e Alcalinos Terrosos; Não metais; Primeira série dos metais de transição, Gases Raros. Aplicação de métodos e técnicas de ensino no desenvolvimento dos conteúdos de química inorgânica I.

Bibliografia
Bibliografia não cadastrada.
MATEMÁTICA II IFE0037 - 64 horas
Carga Horária

64 horas.

Professores
Ementa

Introdução à Estatística Descritiva. Variáveis quantitativas. Dados contínuos e dados discretos. Representação gráfica. Medidas de tendência central. Medidas de dispersão. Noções de probabilidade. Exemplos práticos do uso da probabilidade e estatística para estudos científicos em Ciências da Natureza e Matemática.

Bibliografia
  • Bussab, Morettin. Estatística Básica. . Atual. 2017
ANATOMIA HUMANA IFE0038 - 64 horas
Carga Horária

64 horas.

Professores
Ementa

Fornecer conhecimentos básicos sobre anatomia humana dos diferentes sistemas orgânicos. Princípios gerais de promoção da saúde e prevenção de doenças.

Bibliografia
Bibliografia não cadastrada.
ESTRUTURA, POLÍTICA E GESTÃO EDUCACIONAL IFE0039 - 64 horas
Carga Horária

64 horas.

Professores
Ementa

1. História da Educação no Brasil; 2. Organização do sistema escolar brasileiro; 3. Legislação educacional; 4. Níveis e modalidades de ensino e da educação básica; 5. Formação dos profissionais da educação; 6. Política educacional; 7. Gestão educacional; 8. Financiamento da educação; 9. Avaliação do sistema educacional brasileiro.

Bibliografia
  • LIBÂNEO, José Carlos; OLIVEIRA, João Ferreira e TOSCHI, Mirza Seabra. Educação escolar: políticas, estrutura e organização. 1. Cortez. 2012
  • ARANHA, Maria Lúcia de Arruda. História da Educação e da Pedagogia. 1. Editora Moderna. 2006
ELETRICIDADE E MAGNETISMO I IFE0040 - 64 horas
Carga Horária

64 horas.

Professores
Ementa

Cargas elétricas. Processos de eletrização. Força elétrica. Campo elétrico. Lei de Gauss: fluxo de um campo elétrico, Lei de Gauss, aplicações da Lei de Gauss. Potencial elétrico. Capacitância e Dielétricos. Corrente elétrica. Leis de Ohm. Força eletromotriz. Circuito RC.

Bibliografia
  • Hugh D. Young E Roger A. Freedman. FÍSICA III - ELETROMAGNETISMO. 14 EDIÇÃO. PEARSON. 2016
  • David Halliday, Robert Resnick, Jearl Walker. FUNDAMENTOS DE FISICA - ELETROMAGNETISMO. 10 EDIÇÃO. LIVRO TECNICO E CIENTIFICO. 2016
ESTÁGIO SUPERVISIONADO I IFE0306 - 80 horas
Carga Horária

80 horas.

Professores
Ementa

A referida disciplina abordará a situação do ensino de Ciências na realidade escolar, realizando observações participantes nas escolas do ensino básico, mais especificamente no Ensino Fundamental. Além disso, serão realizadas visitas a planetários; museus; e laboratórios de Química, Física, Biologia e Matemática. Serão realizadas atividades de estágio de observação e apoio ao professor, refletindo sobre a importância, o que e o como observar, bem como o registro reflexivo. Serão debatidas questões relativas às habilidades de ensino, em forma de aulas simuladas, com a elaboração e implementação dessas aulas.

Bibliografia
  • BIANCHI, Ana Cecília de Morais. Orientação para Estágio em Licenciatura. Editora THOMSON PIONEIRA, 2005.
  • PIMENTA, S. G.; LIMA, M. S. L. Estágio e docência.7.ed. São Paulo: Cortez, 2012.
  • PICONEZ, S. B. (coord.). A prática de ensino e o estágio supervisionado.15.ed. Campinas, SP: Papirus, 1991.
  • BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum curricular. Ministério da Educação, Brasília, DF: MEC, 2018. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf
  • FASE DE PRÉ-ENSINO: DILEMAS DOS LICENCIANDOS QUANDO DA INSERÇÃO NA PRÁTICA
  • A importância do estágio de observação para a formação de professores de biologia
  • O ESTÁGIO SUPERVISIONADO E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A PRÁTICA PEDAGÓGICA
  • O ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM ENSINO DE CIÊNCIAS COMO ESPAÇO PARA A MOBILIZAÇÃO DOS SABERES DOCENTES
  • A ABORDAGEM CTS NO ENSINO DE CIÊNCIAS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: UM CAMINHO PARA A CIDADANIA
  • Letramento Informacional e Midiático para professores do século XXI

Semestre 5

DIDÁTICA DAS CIÊNCIAS NATURAIS E DA MATEMÁTICA IFE0070 - 64 horas
Carga Horária

64 horas.

Professores
Ementa

Didática Geral e Didática das Ciências e da Matemática. Epistemologia e Didática das Ciências e da Matemática. Conceitos em destaque na didática das ciências e na Matemática. O que ensinar em ciências? O que ensinar em Matemática? Intervenções Didáticas e Sequencias Didáticas. Modelos de Ensino. Transposição Didática e Contrato Didático. Avaliação.

Bibliografia
  • CAMPOS, M. C. (org.). Didática das Ciências: o ensino-aprendizagem como investigação. 1. FTD. 1999
LABORATÓRIO DE PESQUISA EM ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS E MATEMÁTICA IFE0071 - 64 horas
Carga Horária

64 horas.

Professores
Ementa

A disciplina de caráter teórico e prático, procura fornecer as ferramentas metodológicas necessárias à reflexão teóricas da pesquisa em educação. Visa abordar os pressupostos, a epistemologia da pesquisa em educação, os aspectos teórico-metodológicos de projetos de pesquisa. Analisará alguns instrumentos e os aspectos relativos à sua construção, validação e cientificidade; as possibilidades de análise de informações.

Bibliografia
  • TRIVIÑOS, N. S. A.. Introdução à pesquisa em ensino de Ciências: pesquisa qualitativa em educação.. São Paulo. Atlas. 2007
  • TRIVIÑOS, N. S. A.. Introdução à pesquisa em ensino de Ciências: pesquisa qualitativa em educação.. São Paulo. Atlas. 2007
  • LAKATOS, E. M. et al. Metodologia Científica, SP, Atlas, 1982.
  • SEVERINO, A. J. Método do trabalho científico, 18ª ed., SP.
ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO II IFE0307 - 160 horas
Carga Horária

160 horas.

Professores
Ementa

Reflexões sobre as diferentes concepções de Ciências presentes nas salas de aula e sua relação com o cotidiano. Métodos de ensino: aula expositiva, trabalho colaborativo, trabalho individual, organização de pesquisas, atividades extracurriculares, projetos temáticos, dentre outros. Elaboração, implementação e avaliação de planos de aula, em situações reais. Análise de diferentes recursos didáticos para o ensino e aprendizagem de Ciências na educação básica. O livro didático na prática pedagógica: análise, seleção e utilização. Estágio de regência: registro reflexivo das atividades de regência, baseado no estudo de referências teóricas que possibilitem formular propostas para os problemas identificados relativamente à profissão docente do professor.

Bibliografia
  • Selma Garrido Pimenta, Maria Socorro Lucena Lima.. Estágio e docênci. 8. São Paulo: Cortez. 2017
  • DELIZOICOV, D.; ANGOTTI, J. A.; PERNAMBUCO, M. M.. Ensino de Ciências: fundamentos e métodos. 1. Cortez. 2009
  • PIMENTA, S. G.. O estágio na formação de professores: unidade teoria e prática?. 7. Cortez. 2006
  • CARVALHO, A. M. P.. Ensino de Ciências: unindo a pesquisa e a prática. 1. Pioneira Thomson Learning. 2004
  • PICONEZ, S. B.. A prática de ensino e o estágio supervisionado. 15. Papirus. 1991

Semestre 6

TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO IFE0079 - 64 horas
Carga Horária

64 horas.

Professores
Nenhum professor cadastrado.
Ementa

Elaboração de Monografia der acordo com as normas da ABNT, relacionada a alguma temática pertinente à área de Educação, para fins de obtenção do título de “Licenciado Pleno em Pedagogia”.

Bibliografia
Bibliografia não cadastrada.
LINGUAGEM BRASILEIRA DE SINAIS (LIBRAS) IFE0081 - 64 horas
Carga Horária

64 horas.

Professores
Ementa

Estudo dos conceitos, classificação e causas da surdez. Uma abordagem da surdez enquanto identidade e culturas. Estudo do módulo básico da Língua Brasileira de Sinais enquanto a língua natural dos surdos, a gramática e as especificidades desta língua. Prática pedagógica de utilização da linguagem de sinais, como forma de atestar o domínio dos alunos nessa plataforma linguística.

Bibliografia
  • Livro Ilustrado de Língua Brasileira de Sinais
ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO III IFE0308 - 160 horas
Carga Horária

160 horas.

Professores
Ementa

A avaliação como parte integrante do processo de ensino e aprendizagem. A aprendizagem da docência: a articulação da teoria e da prática. O ensino de Ciências na Educação de Jovens e Adultos. Elaboração, implementação e avaliação de planos de ensino, em situações reais. Estágio de regência: elaboração, implementação e avaliação de plano de aula. Registro reflexivo das atividades de regência, baseado no estudo de referências teóricas que possibilitem formular propostas para os problemas identificados relativamente à profissão docente do professor. A aprendizagem da docência – a articulação da teoria e da prática: analisando as experiências vivenciadas nas diferentes situações de estágio à luz de referenciais teóricos.

Bibliografia
  • CARVALHO, G. T. R. D. , ROCHA, V. H. L. (org.) Formação de Professores e Estágios Supervisionados: Relatos e Reflexões. São Paulo: Andross, 2004.
  • OLIVEIRA, D. L. de (org.). Ciências nas salas de aula. Porto Alegre: Mediação, 2002.
  • PIMENTA, S. G. O. Estágio na formação de Professores: unidade teoria e prática. 7. ed. São Paulo: Cortez, 2006.
  • BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. PCN 3o e 4o Ciclos do Ensino Fundamental: Introdução aos PCNs/ Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1997.
  • BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases. Lei no 9.394 de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, 1996.
  • BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais. Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1998.
  • CANDAU, V. M.(org.). Reinventar a escola. Petrópolis: Vozes, 2005. PIMENTA, S. G. (Org.). Didática e Formação de Professores: percursos e perspectivas no Brasil e em Portugal. São Paulo: Cortez, 2000.
  • SILVA, M. L. S. F. Estágio Curricular: contribuições para o rendimento de sua prática. Natal: Edufrn, 2005.
  • BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum curricular. Ministério da Educação, Brasília, DF: MEC, 2018. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf

Disciplinas Optativas

CÁLCULO II
Professores
  • FRANCINEIDE AMORIM COSTA SANTOS
  • FRANCISCO ADJEDAM GOMES OLIVEIRA
Ementa

Integrais indefinidas e definidas, Teorema fundamental do cálculo, Técnicas de integração, Aplicações das integrais.

Bibliografia
  • CARVALHO, G. T. R. D. , ROCHA, V. H. L. (org.) Formação de Professores e Estágios Supervisionados: Relatos e Reflexões. São Paulo: Andross, 2004.
  • OLIVEIRA, D. L. de (org.). Ciências nas salas de aula. Porto Alegre: Mediação, 2002.
  • PIMENTA, S. G. O. Estágio na formação de Professores: unidade teoria e prática. 7. ed. São Paulo: Cortez, 2006.
  • BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. PCN 3o e 4o Ciclos do Ensino Fundamental: Introdução aos PCNs/ Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1997.
  • BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases. Lei no 9.394 de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, 1996.
  • BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais. Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1998.
  • CANDAU, V. M.(org.). Reinventar a escola. Petrópolis: Vozes, 2005. PIMENTA, S. G. (Org.). Didática e Formação de Professores: percursos e perspectivas no Brasil e em Portugal. São Paulo: Cortez, 2000.
  • SILVA, M. L. S. F. Estágio Curricular: contribuições para o rendimento de sua prática. Natal: Edufrn, 2005.
  • BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum curricular. Ministério da Educação, Brasília, DF: MEC, 2018. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf
QUÍMICA ORGÂNICA I
Professores
  • FRANCINEIDE AMORIM COSTA SANTOS
  • FRANCISCO ADJEDAM GOMES OLIVEIRA
Ementa

Princípios fundamentais da química orgânica, aspectos estruturais e eletrônicos das moléculas orgânicas, incluindo classificação dos principais intermediários de reação. Correção entre estrutura e propriedades químicas e físicas de substâncias orgânicas representativas. Mecanismo de substituição via radicais livres, adição e substituição eletrofílica.

Bibliografia
  • CARVALHO, G. T. R. D. , ROCHA, V. H. L. (org.) Formação de Professores e Estágios Supervisionados: Relatos e Reflexões. São Paulo: Andross, 2004.
  • OLIVEIRA, D. L. de (org.). Ciências nas salas de aula. Porto Alegre: Mediação, 2002.
  • PIMENTA, S. G. O. Estágio na formação de Professores: unidade teoria e prática. 7. ed. São Paulo: Cortez, 2006.
  • BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. PCN 3o e 4o Ciclos do Ensino Fundamental: Introdução aos PCNs/ Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1997.
  • BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases. Lei no 9.394 de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, 1996.
  • BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais. Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1998.
  • CANDAU, V. M.(org.). Reinventar a escola. Petrópolis: Vozes, 2005. PIMENTA, S. G. (Org.). Didática e Formação de Professores: percursos e perspectivas no Brasil e em Portugal. São Paulo: Cortez, 2000.
  • SILVA, M. L. S. F. Estágio Curricular: contribuições para o rendimento de sua prática. Natal: Edufrn, 2005.
  • BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum curricular. Ministério da Educação, Brasília, DF: MEC, 2018. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf
BIOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO
Professores
  • FRANCINEIDE AMORIM COSTA SANTOS
  • FRANCISCO ADJEDAM GOMES OLIVEIRA
Ementa

Introdução à embriologia; Introdução ao desenvolvimento animal; Visão geral do desenvolvimento embrionário (segmentação, gastrulação e organogênese); Anexos embrionários; Visão geral do desenvolvimento embrionário humano; Folhetos embrionários e formação dos tecidos humanos; Teratologia.

Bibliografia
  • CARVALHO, G. T. R. D. , ROCHA, V. H. L. (org.) Formação de Professores e Estágios Supervisionados: Relatos e Reflexões. São Paulo: Andross, 2004.
  • OLIVEIRA, D. L. de (org.). Ciências nas salas de aula. Porto Alegre: Mediação, 2002.
  • PIMENTA, S. G. O. Estágio na formação de Professores: unidade teoria e prática. 7. ed. São Paulo: Cortez, 2006.
  • BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. PCN 3o e 4o Ciclos do Ensino Fundamental: Introdução aos PCNs/ Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1997.
  • BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases. Lei no 9.394 de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, 1996.
  • BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais. Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1998.
  • CANDAU, V. M.(org.). Reinventar a escola. Petrópolis: Vozes, 2005. PIMENTA, S. G. (Org.). Didática e Formação de Professores: percursos e perspectivas no Brasil e em Portugal. São Paulo: Cortez, 2000.
  • SILVA, M. L. S. F. Estágio Curricular: contribuições para o rendimento de sua prática. Natal: Edufrn, 2005.
  • BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum curricular. Ministério da Educação, Brasília, DF: MEC, 2018. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf
GEOMETRIA ANALÍTICA VETORIAL
Professores
  • FRANCINEIDE AMORIM COSTA SANTOS
  • FRANCISCO ADJEDAM GOMES OLIVEIRA
Ementa

Coordenadas no espaço. Vetores no plano e no espaço e aplicações. Equações da reta e do plano no espaço. Posições relativas de retas e planos. Curvas em R2 e R3. Mudanças de coordenadas. Cônicas. Quadráticas.

Bibliografia
  • CARVALHO, G. T. R. D. , ROCHA, V. H. L. (org.) Formação de Professores e Estágios Supervisionados: Relatos e Reflexões. São Paulo: Andross, 2004.
  • OLIVEIRA, D. L. de (org.). Ciências nas salas de aula. Porto Alegre: Mediação, 2002.
  • PIMENTA, S. G. O. Estágio na formação de Professores: unidade teoria e prática. 7. ed. São Paulo: Cortez, 2006.
  • BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. PCN 3o e 4o Ciclos do Ensino Fundamental: Introdução aos PCNs/ Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1997.
  • BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases. Lei no 9.394 de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, 1996.
  • BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais. Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1998.
  • CANDAU, V. M.(org.). Reinventar a escola. Petrópolis: Vozes, 2005. PIMENTA, S. G. (Org.). Didática e Formação de Professores: percursos e perspectivas no Brasil e em Portugal. São Paulo: Cortez, 2000.
  • SILVA, M. L. S. F. Estágio Curricular: contribuições para o rendimento de sua prática. Natal: Edufrn, 2005.
  • BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum curricular. Ministério da Educação, Brasília, DF: MEC, 2018. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf
INTRODUÇÃO AO CURSO DE CIÊNCIAS NATURAIS
Professores
  • FRANCINEIDE AMORIM COSTA SANTOS
  • FRANCISCO ADJEDAM GOMES OLIVEIRA
Ementa

Matriz curricular do curso. Áreas de atuação profissional do formado em uma licenicatura interdisciplinar em ciências naturais. Programas de Pesquisa, Extensão, Cultura e Ensino da UFCA.

Bibliografia
  • CARVALHO, G. T. R. D. , ROCHA, V. H. L. (org.) Formação de Professores e Estágios Supervisionados: Relatos e Reflexões. São Paulo: Andross, 2004.
  • OLIVEIRA, D. L. de (org.). Ciências nas salas de aula. Porto Alegre: Mediação, 2002.
  • PIMENTA, S. G. O. Estágio na formação de Professores: unidade teoria e prática. 7. ed. São Paulo: Cortez, 2006.
  • BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. PCN 3o e 4o Ciclos do Ensino Fundamental: Introdução aos PCNs/ Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1997.
  • BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases. Lei no 9.394 de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, 1996.
  • BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais. Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1998.
  • CANDAU, V. M.(org.). Reinventar a escola. Petrópolis: Vozes, 2005. PIMENTA, S. G. (Org.). Didática e Formação de Professores: percursos e perspectivas no Brasil e em Portugal. São Paulo: Cortez, 2000.
  • SILVA, M. L. S. F. Estágio Curricular: contribuições para o rendimento de sua prática. Natal: Edufrn, 2005.
  • BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum curricular. Ministério da Educação, Brasília, DF: MEC, 2018. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf
BIOFÍSICA
Professores
  • FRANCINEIDE AMORIM COSTA SANTOS
  • FRANCISCO ADJEDAM GOMES OLIVEIRA
Ementa

Introdução à Biofísica; Fenômenos Ondulatórios; Fluidos em Sistemas Biológicos; Fenômenos Elétricos nas Células; Fenômenos de Superfície; Física das Radiações

Bibliografia
  • CARVALHO, G. T. R. D. , ROCHA, V. H. L. (org.) Formação de Professores e Estágios Supervisionados: Relatos e Reflexões. São Paulo: Andross, 2004.
  • OLIVEIRA, D. L. de (org.). Ciências nas salas de aula. Porto Alegre: Mediação, 2002.
  • PIMENTA, S. G. O. Estágio na formação de Professores: unidade teoria e prática. 7. ed. São Paulo: Cortez, 2006.
  • BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. PCN 3o e 4o Ciclos do Ensino Fundamental: Introdução aos PCNs/ Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1997.
  • BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases. Lei no 9.394 de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, 1996.
  • BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais. Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1998.
  • CANDAU, V. M.(org.). Reinventar a escola. Petrópolis: Vozes, 2005. PIMENTA, S. G. (Org.). Didática e Formação de Professores: percursos e perspectivas no Brasil e em Portugal. São Paulo: Cortez, 2000.
  • SILVA, M. L. S. F. Estágio Curricular: contribuições para o rendimento de sua prática. Natal: Edufrn, 2005.
  • BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum curricular. Ministério da Educação, Brasília, DF: MEC, 2018. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf
INTRODUÇÃO A MATEMÁTICA FINANCEIRA
Professores
  • FRANCINEIDE AMORIM COSTA SANTOS
  • FRANCISCO ADJEDAM GOMES OLIVEIRA
Ementa

Juros e descontos: simples e composto; séries de pagamentos.

Bibliografia
  • CARVALHO, G. T. R. D. , ROCHA, V. H. L. (org.) Formação de Professores e Estágios Supervisionados: Relatos e Reflexões. São Paulo: Andross, 2004.
  • OLIVEIRA, D. L. de (org.). Ciências nas salas de aula. Porto Alegre: Mediação, 2002.
  • PIMENTA, S. G. O. Estágio na formação de Professores: unidade teoria e prática. 7. ed. São Paulo: Cortez, 2006.
  • BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. PCN 3o e 4o Ciclos do Ensino Fundamental: Introdução aos PCNs/ Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1997.
  • BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases. Lei no 9.394 de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, 1996.
  • BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais. Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1998.
  • CANDAU, V. M.(org.). Reinventar a escola. Petrópolis: Vozes, 2005. PIMENTA, S. G. (Org.). Didática e Formação de Professores: percursos e perspectivas no Brasil e em Portugal. São Paulo: Cortez, 2000.
  • SILVA, M. L. S. F. Estágio Curricular: contribuições para o rendimento de sua prática. Natal: Edufrn, 2005.
  • BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum curricular. Ministério da Educação, Brasília, DF: MEC, 2018. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf
INTRODUÇÃO A LÓGICA
Professores
  • FRANCINEIDE AMORIM COSTA SANTOS
  • FRANCISCO ADJEDAM GOMES OLIVEIRA
Ementa

Proposições: operações; tabelas-verdade; tautologias, contradições e contingências; implicação; equivalência; álgebra. Transformações. Argumentos: validade. Sentenças abertas. Predicados; Introdução à Teoria dos Conjuntos.Conjecturas matemáticas. Tipos de proposições. Definições, postulados e axiomas. Lemas e Teoremas. Corolários, Paradoxos e Sofismas. Tipos de provas matemáticas. Prova direta, por indução, por contradição, por construção e por exaustão.

Bibliografia
  • CARVALHO, G. T. R. D. , ROCHA, V. H. L. (org.) Formação de Professores e Estágios Supervisionados: Relatos e Reflexões. São Paulo: Andross, 2004.
  • OLIVEIRA, D. L. de (org.). Ciências nas salas de aula. Porto Alegre: Mediação, 2002.
  • PIMENTA, S. G. O. Estágio na formação de Professores: unidade teoria e prática. 7. ed. São Paulo: Cortez, 2006.
  • BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. PCN 3o e 4o Ciclos do Ensino Fundamental: Introdução aos PCNs/ Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1997.
  • BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases. Lei no 9.394 de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, 1996.
  • BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais. Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1998.
  • CANDAU, V. M.(org.). Reinventar a escola. Petrópolis: Vozes, 2005. PIMENTA, S. G. (Org.). Didática e Formação de Professores: percursos e perspectivas no Brasil e em Portugal. São Paulo: Cortez, 2000.
  • SILVA, M. L. S. F. Estágio Curricular: contribuições para o rendimento de sua prática. Natal: Edufrn, 2005.
  • BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum curricular. Ministério da Educação, Brasília, DF: MEC, 2018. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf
INTERAÇÕES ECOLÓGICAS NOS ECOSSISTEMAS
Professores
  • FRANCINEIDE AMORIM COSTA SANTOS
  • FRANCISCO ADJEDAM GOMES OLIVEIRA
Ementa

A conquista do ambiente terrestre pelos seres vivos. Origem, biologia, reprodução e ecologia dos seguintes organismos terrestres: gimnospermas, angiospermas, insetos, répteis, aves e mamíferos. Interações entre os seres vivos nas comunidades biológicas: competição, relações entre consumidores e recursos, mutualismo e simbiose. Interações especiais entre os seres vivos nas comunidades biológicas: herbivoria, mutualismos tróficos, polinização, dispersão, parasitismo.

Bibliografia
  • CARVALHO, G. T. R. D. , ROCHA, V. H. L. (org.) Formação de Professores e Estágios Supervisionados: Relatos e Reflexões. São Paulo: Andross, 2004.
  • OLIVEIRA, D. L. de (org.). Ciências nas salas de aula. Porto Alegre: Mediação, 2002.
  • PIMENTA, S. G. O. Estágio na formação de Professores: unidade teoria e prática. 7. ed. São Paulo: Cortez, 2006.
  • BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. PCN 3o e 4o Ciclos do Ensino Fundamental: Introdução aos PCNs/ Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1997.
  • BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases. Lei no 9.394 de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, 1996.
  • BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais. Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1998.
  • CANDAU, V. M.(org.). Reinventar a escola. Petrópolis: Vozes, 2005. PIMENTA, S. G. (Org.). Didática e Formação de Professores: percursos e perspectivas no Brasil e em Portugal. São Paulo: Cortez, 2000.
  • SILVA, M. L. S. F. Estágio Curricular: contribuições para o rendimento de sua prática. Natal: Edufrn, 2005.
  • BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum curricular. Ministério da Educação, Brasília, DF: MEC, 2018. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf
FUNDAMENTOS DE EDUCOMUNICAÇÃO
Professores
  • FRANCINEIDE AMORIM COSTA SANTOS
  • FRANCISCO ADJEDAM GOMES OLIVEIRA
Ementa

Comunicação e Educação: relações entre 2 campos de saber distintos. O que é a Educomunicação? Fundamentos epistemológicos da Educomunicação. A formação docente a partir dos meios de comunicação em massa (Internet, TV, Rádio, jornal). Mitos acerca do uso da mídia em sala de aula.

Bibliografia
  • CARVALHO, G. T. R. D. , ROCHA, V. H. L. (org.) Formação de Professores e Estágios Supervisionados: Relatos e Reflexões. São Paulo: Andross, 2004.
  • OLIVEIRA, D. L. de (org.). Ciências nas salas de aula. Porto Alegre: Mediação, 2002.
  • PIMENTA, S. G. O. Estágio na formação de Professores: unidade teoria e prática. 7. ed. São Paulo: Cortez, 2006.
  • BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. PCN 3o e 4o Ciclos do Ensino Fundamental: Introdução aos PCNs/ Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1997.
  • BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases. Lei no 9.394 de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, 1996.
  • BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais. Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1998.
  • CANDAU, V. M.(org.). Reinventar a escola. Petrópolis: Vozes, 2005. PIMENTA, S. G. (Org.). Didática e Formação de Professores: percursos e perspectivas no Brasil e em Portugal. São Paulo: Cortez, 2000.
  • SILVA, M. L. S. F. Estágio Curricular: contribuições para o rendimento de sua prática. Natal: Edufrn, 2005.
  • BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum curricular. Ministério da Educação, Brasília, DF: MEC, 2018. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf
INTEGRAÇÃO DE TECNOLOGIAS COM CURRÍCULO
Professores
  • FRANCINEIDE AMORIM COSTA SANTOS
  • FRANCISCO ADJEDAM GOMES OLIVEIRA
Ementa

Tem como proposta desenvolver abordagem teórico-metodológica, focada nas situações educativas da integração das tecnologias digitais da informação e comunicação (TDIC) e Currículo. Propiciando ao estudante de graduação maturar o estabelecimento de inter-relações entre os campos de conhecimentos tendo como meta a interdisciplinaridade, o envolvimento com novos saberes e que lhe permita repensar e ressignificar sua futura prática pedagógica.

Bibliografia
  • CARVALHO, G. T. R. D. , ROCHA, V. H. L. (org.) Formação de Professores e Estágios Supervisionados: Relatos e Reflexões. São Paulo: Andross, 2004.
  • OLIVEIRA, D. L. de (org.). Ciências nas salas de aula. Porto Alegre: Mediação, 2002.
  • PIMENTA, S. G. O. Estágio na formação de Professores: unidade teoria e prática. 7. ed. São Paulo: Cortez, 2006.
  • BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. PCN 3o e 4o Ciclos do Ensino Fundamental: Introdução aos PCNs/ Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1997.
  • BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases. Lei no 9.394 de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, 1996.
  • BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais. Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1998.
  • CANDAU, V. M.(org.). Reinventar a escola. Petrópolis: Vozes, 2005. PIMENTA, S. G. (Org.). Didática e Formação de Professores: percursos e perspectivas no Brasil e em Portugal. São Paulo: Cortez, 2000.
  • SILVA, M. L. S. F. Estágio Curricular: contribuições para o rendimento de sua prática. Natal: Edufrn, 2005.
  • BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum curricular. Ministério da Educação, Brasília, DF: MEC, 2018. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf
NOVAS TECNOLOGIAS E EAD
Professores
  • FRANCINEIDE AMORIM COSTA SANTOS
  • FRANCISCO ADJEDAM GOMES OLIVEIRA
Ementa

Estuda os paradigmas atuais da sociedade em seus processos de informatização. Uso das tecnologias nos níveis de ensino que compõem a educação básica brasileira, afim de facilitar a aprendizagem discente. Políticas públicas de acesso à educação à distância através da tecnologia na escola. Prática pedagógica de utilização de novas Mídias digitais e Tecnologias através de um viés político-educacional.

Bibliografia
  • CARVALHO, G. T. R. D. , ROCHA, V. H. L. (org.) Formação de Professores e Estágios Supervisionados: Relatos e Reflexões. São Paulo: Andross, 2004.
  • OLIVEIRA, D. L. de (org.). Ciências nas salas de aula. Porto Alegre: Mediação, 2002.
  • PIMENTA, S. G. O. Estágio na formação de Professores: unidade teoria e prática. 7. ed. São Paulo: Cortez, 2006.
  • BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. PCN 3o e 4o Ciclos do Ensino Fundamental: Introdução aos PCNs/ Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1997.
  • BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases. Lei no 9.394 de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, 1996.
  • BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais. Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1998.
  • CANDAU, V. M.(org.). Reinventar a escola. Petrópolis: Vozes, 2005. PIMENTA, S. G. (Org.). Didática e Formação de Professores: percursos e perspectivas no Brasil e em Portugal. São Paulo: Cortez, 2000.
  • SILVA, M. L. S. F. Estágio Curricular: contribuições para o rendimento de sua prática. Natal: Edufrn, 2005.
  • BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum curricular. Ministério da Educação, Brasília, DF: MEC, 2018. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf
INSTRUMENTALIZAÇÃO PARA O ENSINO I – MATEMÁTICA
Professores
  • FRANCINEIDE AMORIM COSTA SANTOS
  • FRANCISCO ADJEDAM GOMES OLIVEIRA
Ementa

Geometria plana e geometria espacial (cálculo de perímetros, áreas e volumes dos polígonos/sólidos notáveis). Didática para o ensino de matemática. Construção de modelos. Uso de softwares para o ensino de matemática.

Bibliografia
  • CARVALHO, G. T. R. D. , ROCHA, V. H. L. (org.) Formação de Professores e Estágios Supervisionados: Relatos e Reflexões. São Paulo: Andross, 2004.
  • OLIVEIRA, D. L. de (org.). Ciências nas salas de aula. Porto Alegre: Mediação, 2002.
  • PIMENTA, S. G. O. Estágio na formação de Professores: unidade teoria e prática. 7. ed. São Paulo: Cortez, 2006.
  • BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. PCN 3o e 4o Ciclos do Ensino Fundamental: Introdução aos PCNs/ Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1997.
  • BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases. Lei no 9.394 de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, 1996.
  • BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais. Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1998.
  • CANDAU, V. M.(org.). Reinventar a escola. Petrópolis: Vozes, 2005. PIMENTA, S. G. (Org.). Didática e Formação de Professores: percursos e perspectivas no Brasil e em Portugal. São Paulo: Cortez, 2000.
  • SILVA, M. L. S. F. Estágio Curricular: contribuições para o rendimento de sua prática. Natal: Edufrn, 2005.
  • BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum curricular. Ministério da Educação, Brasília, DF: MEC, 2018. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf
INSTRUMENTALIZAÇÃO PARA O ENSINO II – BIOLOGIA
Professores
  • FRANCINEIDE AMORIM COSTA SANTOS
  • FRANCISCO ADJEDAM GOMES OLIVEIRA
Ementa

Elaboração de materiais didáticos para o ensino do conteúdo das disciplinas de “Morfologia dos Seres Vivos” e “ Interações Ecológicas nos Ecossistemas” para crianças e jovens discentes dos anos finais do Ensino Fundamental.

Bibliografia
  • CARVALHO, G. T. R. D. , ROCHA, V. H. L. (org.) Formação de Professores e Estágios Supervisionados: Relatos e Reflexões. São Paulo: Andross, 2004.
  • OLIVEIRA, D. L. de (org.). Ciências nas salas de aula. Porto Alegre: Mediação, 2002.
  • PIMENTA, S. G. O. Estágio na formação de Professores: unidade teoria e prática. 7. ed. São Paulo: Cortez, 2006.
  • BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. PCN 3o e 4o Ciclos do Ensino Fundamental: Introdução aos PCNs/ Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1997.
  • BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases. Lei no 9.394 de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, 1996.
  • BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais. Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1998.
  • CANDAU, V. M.(org.). Reinventar a escola. Petrópolis: Vozes, 2005. PIMENTA, S. G. (Org.). Didática e Formação de Professores: percursos e perspectivas no Brasil e em Portugal. São Paulo: Cortez, 2000.
  • SILVA, M. L. S. F. Estágio Curricular: contribuições para o rendimento de sua prática. Natal: Edufrn, 2005.
  • BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum curricular. Ministério da Educação, Brasília, DF: MEC, 2018. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf
INSTRUMENTALIZAÇÃO PARA O ENSINO III – QUÍMICA
Professores
  • FRANCINEIDE AMORIM COSTA SANTOS
  • FRANCISCO ADJEDAM GOMES OLIVEIRA
Ementa

Elaboração de materiais didáticos para o ensino do conteúdo da disciplina de “Química do Cotidiano” para crianças e jovens discentes dos anos finais do Ensino Fundamental.

Bibliografia
  • CARVALHO, G. T. R. D. , ROCHA, V. H. L. (org.) Formação de Professores e Estágios Supervisionados: Relatos e Reflexões. São Paulo: Andross, 2004.
  • OLIVEIRA, D. L. de (org.). Ciências nas salas de aula. Porto Alegre: Mediação, 2002.
  • PIMENTA, S. G. O. Estágio na formação de Professores: unidade teoria e prática. 7. ed. São Paulo: Cortez, 2006.
  • BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. PCN 3o e 4o Ciclos do Ensino Fundamental: Introdução aos PCNs/ Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1997.
  • BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases. Lei no 9.394 de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, 1996.
  • BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais. Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1998.
  • CANDAU, V. M.(org.). Reinventar a escola. Petrópolis: Vozes, 2005. PIMENTA, S. G. (Org.). Didática e Formação de Professores: percursos e perspectivas no Brasil e em Portugal. São Paulo: Cortez, 2000.
  • SILVA, M. L. S. F. Estágio Curricular: contribuições para o rendimento de sua prática. Natal: Edufrn, 2005.
  • BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum curricular. Ministério da Educação, Brasília, DF: MEC, 2018. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf
BIODIVERSIDADE E CLASSIFICAÇÃO DOS SERES VIVOS
Professores
  • FRANCINEIDE AMORIM COSTA SANTOS
  • FRANCISCO ADJEDAM GOMES OLIVEIRA
Ementa

A Classificação e filogenia dos seres vivos: vírus e os cinco reinos. Níveis de organização e complexidade da vida. Origem, biologia, reprodução e ecologia dos seguintes organismos: cianobactérias, algas, briófitas, pteridófitas, esponjas, cnidários, platelmintos, asquelmintos, anelídeos, moluscos, artrópodes, equinodermos, protocordados, peixes e anfíbios.

Bibliografia
  • CARVALHO, G. T. R. D. , ROCHA, V. H. L. (org.) Formação de Professores e Estágios Supervisionados: Relatos e Reflexões. São Paulo: Andross, 2004.
  • OLIVEIRA, D. L. de (org.). Ciências nas salas de aula. Porto Alegre: Mediação, 2002.
  • PIMENTA, S. G. O. Estágio na formação de Professores: unidade teoria e prática. 7. ed. São Paulo: Cortez, 2006.
  • BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. PCN 3o e 4o Ciclos do Ensino Fundamental: Introdução aos PCNs/ Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1997.
  • BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases. Lei no 9.394 de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, 1996.
  • BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais. Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1998.
  • CANDAU, V. M.(org.). Reinventar a escola. Petrópolis: Vozes, 2005. PIMENTA, S. G. (Org.). Didática e Formação de Professores: percursos e perspectivas no Brasil e em Portugal. São Paulo: Cortez, 2000.
  • SILVA, M. L. S. F. Estágio Curricular: contribuições para o rendimento de sua prática. Natal: Edufrn, 2005.
  • BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum curricular. Ministério da Educação, Brasília, DF: MEC, 2018. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf
EPIDEMIOLOGIA E SAÚDE PÚBLICA
Professores
  • FRANCINEIDE AMORIM COSTA SANTOS
  • FRANCISCO ADJEDAM GOMES OLIVEIRA
Ementa

Epidemiologia. Caracteres e estrutura epidemiológica. Epidemias e vigilância epidemiológica. Epidemiologia analítica. Introdução ao estudo do sistema de saúde brasileiro, programas de políticas de saúde pública à partir dos condicionamentos sócio políticos histórico e econômicos, possibilitando a revisão crítica, seja da análise dos papéis desempenhados pelas instituições e profissionais da área, seja da produção do planejamento em saúde no Brasil.

Bibliografia
  • CARVALHO, G. T. R. D. , ROCHA, V. H. L. (org.) Formação de Professores e Estágios Supervisionados: Relatos e Reflexões. São Paulo: Andross, 2004.
  • OLIVEIRA, D. L. de (org.). Ciências nas salas de aula. Porto Alegre: Mediação, 2002.
  • PIMENTA, S. G. O. Estágio na formação de Professores: unidade teoria e prática. 7. ed. São Paulo: Cortez, 2006.
  • BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. PCN 3o e 4o Ciclos do Ensino Fundamental: Introdução aos PCNs/ Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1997.
  • BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases. Lei no 9.394 de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, 1996.
  • BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais. Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1998.
  • CANDAU, V. M.(org.). Reinventar a escola. Petrópolis: Vozes, 2005. PIMENTA, S. G. (Org.). Didática e Formação de Professores: percursos e perspectivas no Brasil e em Portugal. São Paulo: Cortez, 2000.
  • SILVA, M. L. S. F. Estágio Curricular: contribuições para o rendimento de sua prática. Natal: Edufrn, 2005.
  • BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum curricular. Ministério da Educação, Brasília, DF: MEC, 2018. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf
BIOINFORMÁTICA
Professores
  • FRANCINEIDE AMORIM COSTA SANTOS
  • FRANCISCO ADJEDAM GOMES OLIVEIRA
Ementa

Identificar sequências de DNA e proteínas, traçar analogias, identificar regiões específicas do genoma onde atuam doenças, gerar árvores filogenéticas, predizer estruturas protéicas. Principais bancos de dados online e seu uso na mineração de dados biológicos. Estudos de modificações pós-traducionais, predição de glicosilação.

Bibliografia
  • CARVALHO, G. T. R. D. , ROCHA, V. H. L. (org.) Formação de Professores e Estágios Supervisionados: Relatos e Reflexões. São Paulo: Andross, 2004.
  • OLIVEIRA, D. L. de (org.). Ciências nas salas de aula. Porto Alegre: Mediação, 2002.
  • PIMENTA, S. G. O. Estágio na formação de Professores: unidade teoria e prática. 7. ed. São Paulo: Cortez, 2006.
  • BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. PCN 3o e 4o Ciclos do Ensino Fundamental: Introdução aos PCNs/ Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1997.
  • BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases. Lei no 9.394 de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, 1996.
  • BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais. Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1998.
  • CANDAU, V. M.(org.). Reinventar a escola. Petrópolis: Vozes, 2005. PIMENTA, S. G. (Org.). Didática e Formação de Professores: percursos e perspectivas no Brasil e em Portugal. São Paulo: Cortez, 2000.
  • SILVA, M. L. S. F. Estágio Curricular: contribuições para o rendimento de sua prática. Natal: Edufrn, 2005.
  • BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum curricular. Ministério da Educação, Brasília, DF: MEC, 2018. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf
INTRODUÇÃO A GEOCIÊNCIA
Professores
  • FRANCINEIDE AMORIM COSTA SANTOS
  • FRANCISCO ADJEDAM GOMES OLIVEIRA
Ementa

As ciências geológicas e seus diversos ramos. Característica da crosta terrestre. Dinâmica interna da crosta terrestre. Escala geológica. Fóssil. Paleobiologia. Os minerais. Magmatismo. Caracterização das rochas magmáticas. Metamorfismo. Rochas metamórficas. Rochas sedimentares. Geologia do carvão e do petróleo. Hidrogeologia.

Bibliografia
  • CARVALHO, G. T. R. D. , ROCHA, V. H. L. (org.) Formação de Professores e Estágios Supervisionados: Relatos e Reflexões. São Paulo: Andross, 2004.
  • OLIVEIRA, D. L. de (org.). Ciências nas salas de aula. Porto Alegre: Mediação, 2002.
  • PIMENTA, S. G. O. Estágio na formação de Professores: unidade teoria e prática. 7. ed. São Paulo: Cortez, 2006.
  • BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. PCN 3o e 4o Ciclos do Ensino Fundamental: Introdução aos PCNs/ Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1997.
  • BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases. Lei no 9.394 de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, 1996.
  • BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais. Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1998.
  • CANDAU, V. M.(org.). Reinventar a escola. Petrópolis: Vozes, 2005. PIMENTA, S. G. (Org.). Didática e Formação de Professores: percursos e perspectivas no Brasil e em Portugal. São Paulo: Cortez, 2000.
  • SILVA, M. L. S. F. Estágio Curricular: contribuições para o rendimento de sua prática. Natal: Edufrn, 2005.
  • BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum curricular. Ministério da Educação, Brasília, DF: MEC, 2018. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf
FISIOLOGIA VEGETAL
Professores
  • FRANCINEIDE AMORIM COSTA SANTOS
  • FRANCISCO ADJEDAM GOMES OLIVEIRA
Ementa

Água na planta. Nutrição mineral de plantas. Fotossíntese e respiração. Translocação de solutos nas plantas. Crescimento e desenvolvimento das plantas. Hormônios e reguladores de crescimento. Adaptações fisiológicas a diferentes ambientes.

Bibliografia
  • CARVALHO, G. T. R. D. , ROCHA, V. H. L. (org.) Formação de Professores e Estágios Supervisionados: Relatos e Reflexões. São Paulo: Andross, 2004.
  • OLIVEIRA, D. L. de (org.). Ciências nas salas de aula. Porto Alegre: Mediação, 2002.
  • PIMENTA, S. G. O. Estágio na formação de Professores: unidade teoria e prática. 7. ed. São Paulo: Cortez, 2006.
  • BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. PCN 3o e 4o Ciclos do Ensino Fundamental: Introdução aos PCNs/ Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1997.
  • BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases. Lei no 9.394 de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, 1996.
  • BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais. Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1998.
  • CANDAU, V. M.(org.). Reinventar a escola. Petrópolis: Vozes, 2005. PIMENTA, S. G. (Org.). Didática e Formação de Professores: percursos e perspectivas no Brasil e em Portugal. São Paulo: Cortez, 2000.
  • SILVA, M. L. S. F. Estágio Curricular: contribuições para o rendimento de sua prática. Natal: Edufrn, 2005.
  • BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum curricular. Ministério da Educação, Brasília, DF: MEC, 2018. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf
EDUCAÇÃO E SAÚDE
Professores
  • FRANCINEIDE AMORIM COSTA SANTOS
  • FRANCISCO ADJEDAM GOMES OLIVEIRA
Ementa

Concepção de educação, saúde, sociedade, e cidadania, a partir das perspectivas educacionais existentes na saúde. A educação em saúde no processo de trabalho como geradora de um ser saudável e comprometido com o autocuidado individual e coletivo. Gênero e reprodução; A melhora da saúde ao longo do ciclo de vida; Saneamento, saúde e ambiente; Bioética e pesquisa em saúde.Organização de cartilhas com instruções de como manter uma boa saúde e evitar problemas em seu ambiente de trabalho e domiciliar, com divulgação na faculdade, escolas ou em eventos relacionados.

Bibliografia
  • CARVALHO, G. T. R. D. , ROCHA, V. H. L. (org.) Formação de Professores e Estágios Supervisionados: Relatos e Reflexões. São Paulo: Andross, 2004.
  • OLIVEIRA, D. L. de (org.). Ciências nas salas de aula. Porto Alegre: Mediação, 2002.
  • PIMENTA, S. G. O. Estágio na formação de Professores: unidade teoria e prática. 7. ed. São Paulo: Cortez, 2006.
  • BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. PCN 3o e 4o Ciclos do Ensino Fundamental: Introdução aos PCNs/ Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1997.
  • BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases. Lei no 9.394 de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, 1996.
  • BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais. Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1998.
  • CANDAU, V. M.(org.). Reinventar a escola. Petrópolis: Vozes, 2005. PIMENTA, S. G. (Org.). Didática e Formação de Professores: percursos e perspectivas no Brasil e em Portugal. São Paulo: Cortez, 2000.
  • SILVA, M. L. S. F. Estágio Curricular: contribuições para o rendimento de sua prática. Natal: Edufrn, 2005.
  • BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum curricular. Ministério da Educação, Brasília, DF: MEC, 2018. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf
PROTEÍNAS VEGETAIS
Professores
  • FRANCINEIDE AMORIM COSTA SANTOS
  • FRANCISCO ADJEDAM GOMES OLIVEIRA
Ementa

Metabolismo de proteínas vegetais, Lectinas. Inibidores de proteases - inibidores de alfa-amilases. Arcelinas e proteínas relacionadas. Defensinas vegetais. Toxinas (CNTX. SBTX, ureases etc.). Proteínas inibidoras de ribossomos (RIPs).

Bibliografia
  • CARVALHO, G. T. R. D. , ROCHA, V. H. L. (org.) Formação de Professores e Estágios Supervisionados: Relatos e Reflexões. São Paulo: Andross, 2004.
  • OLIVEIRA, D. L. de (org.). Ciências nas salas de aula. Porto Alegre: Mediação, 2002.
  • PIMENTA, S. G. O. Estágio na formação de Professores: unidade teoria e prática. 7. ed. São Paulo: Cortez, 2006.
  • BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. PCN 3o e 4o Ciclos do Ensino Fundamental: Introdução aos PCNs/ Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1997.
  • BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases. Lei no 9.394 de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, 1996.
  • BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais. Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1998.
  • CANDAU, V. M.(org.). Reinventar a escola. Petrópolis: Vozes, 2005. PIMENTA, S. G. (Org.). Didática e Formação de Professores: percursos e perspectivas no Brasil e em Portugal. São Paulo: Cortez, 2000.
  • SILVA, M. L. S. F. Estágio Curricular: contribuições para o rendimento de sua prática. Natal: Edufrn, 2005.
  • BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum curricular. Ministério da Educação, Brasília, DF: MEC, 2018. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf
NANOTECNOLOGIA
Professores
  • FRANCINEIDE AMORIM COSTA SANTOS
  • FRANCISCO ADJEDAM GOMES OLIVEIRA
Ementa

Conceito e Fundamentos da Nanotecnologia. Morfologia de Materiais Nanoestruturados. Blocos de Construção: nanotubos, nanofios e nanopartículas. Técnicas e Ferramentas de Manipulação Molecular e Atômica

Bibliografia
  • CARVALHO, G. T. R. D. , ROCHA, V. H. L. (org.) Formação de Professores e Estágios Supervisionados: Relatos e Reflexões. São Paulo: Andross, 2004.
  • OLIVEIRA, D. L. de (org.). Ciências nas salas de aula. Porto Alegre: Mediação, 2002.
  • PIMENTA, S. G. O. Estágio na formação de Professores: unidade teoria e prática. 7. ed. São Paulo: Cortez, 2006.
  • BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. PCN 3o e 4o Ciclos do Ensino Fundamental: Introdução aos PCNs/ Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1997.
  • BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases. Lei no 9.394 de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, 1996.
  • BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais. Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1998.
  • CANDAU, V. M.(org.). Reinventar a escola. Petrópolis: Vozes, 2005. PIMENTA, S. G. (Org.). Didática e Formação de Professores: percursos e perspectivas no Brasil e em Portugal. São Paulo: Cortez, 2000.
  • SILVA, M. L. S. F. Estágio Curricular: contribuições para o rendimento de sua prática. Natal: Edufrn, 2005.
  • BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum curricular. Ministério da Educação, Brasília, DF: MEC, 2018. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf
DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA
Professores
  • FRANCINEIDE AMORIM COSTA SANTOS
  • FRANCISCO ADJEDAM GOMES OLIVEIRA
Ementa

Princípios gerais da divulgação científica: tendências e escolas. História da divulgação científica no Brasil. Os diferentes veículos: revistas, jornais, cinema, televisão, computadores, museus, exposições, conferências, peças publicitárias. Fontes de divulgação científica: cientistas e/ou jornalistas. Alvos da divulgação científica: escolares em vários níveis, estudantes universitários, professores de nível superior e o público amplo não setorizado.

Bibliografia
  • CARVALHO, G. T. R. D. , ROCHA, V. H. L. (org.) Formação de Professores e Estágios Supervisionados: Relatos e Reflexões. São Paulo: Andross, 2004.
  • OLIVEIRA, D. L. de (org.). Ciências nas salas de aula. Porto Alegre: Mediação, 2002.
  • PIMENTA, S. G. O. Estágio na formação de Professores: unidade teoria e prática. 7. ed. São Paulo: Cortez, 2006.
  • BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. PCN 3o e 4o Ciclos do Ensino Fundamental: Introdução aos PCNs/ Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1997.
  • BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases. Lei no 9.394 de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, 1996.
  • BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais. Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1998.
  • CANDAU, V. M.(org.). Reinventar a escola. Petrópolis: Vozes, 2005. PIMENTA, S. G. (Org.). Didática e Formação de Professores: percursos e perspectivas no Brasil e em Portugal. São Paulo: Cortez, 2000.
  • SILVA, M. L. S. F. Estágio Curricular: contribuições para o rendimento de sua prática. Natal: Edufrn, 2005.
  • BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum curricular. Ministério da Educação, Brasília, DF: MEC, 2018. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf
CIÊNCIA, TECNOLOGIA E SOCIEDADE
Professores
  • FRANCINEIDE AMORIM COSTA SANTOS
  • FRANCISCO ADJEDAM GOMES OLIVEIRA
Ementa

Histórico da ciência e da tecnologia como construções humanas, inseridas em contextos sociais específicos. Diferença entre conhecimentos científicos e tecnológicos. O acúmulo do conhecimento tecnológico e os processos de ruptura dos modelos. O século XX e a relação Ciência-Tecnologia-Sociedade (CTS). Alfabetização científica e tecnológica numa perspectiva de educação científica escolar.

Bibliografia
  • CARVALHO, G. T. R. D. , ROCHA, V. H. L. (org.) Formação de Professores e Estágios Supervisionados: Relatos e Reflexões. São Paulo: Andross, 2004.
  • OLIVEIRA, D. L. de (org.). Ciências nas salas de aula. Porto Alegre: Mediação, 2002.
  • PIMENTA, S. G. O. Estágio na formação de Professores: unidade teoria e prática. 7. ed. São Paulo: Cortez, 2006.
  • BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. PCN 3o e 4o Ciclos do Ensino Fundamental: Introdução aos PCNs/ Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1997.
  • BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases. Lei no 9.394 de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, 1996.
  • BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais. Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1998.
  • CANDAU, V. M.(org.). Reinventar a escola. Petrópolis: Vozes, 2005. PIMENTA, S. G. (Org.). Didática e Formação de Professores: percursos e perspectivas no Brasil e em Portugal. São Paulo: Cortez, 2000.
  • SILVA, M. L. S. F. Estágio Curricular: contribuições para o rendimento de sua prática. Natal: Edufrn, 2005.
  • BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum curricular. Ministério da Educação, Brasília, DF: MEC, 2018. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf
INTRODUÇÃO À ASTRONOMIA
Professores
  • FRANCINEIDE AMORIM COSTA SANTOS
  • FRANCISCO ADJEDAM GOMES OLIVEIRA
Ementa

Breve histórico da Astronomia. Movimentos Aparentes dos Astros sobre a Esfera Celeste.O Sistema Solar.OSistema Terra-Lua.Noções de Cosmologia: formação do Universo; galáxias; classificação das galáxias; nebulosas; aglomerados estelares; lei de Hubble; destino do Universo.

Bibliografia
  • CARVALHO, G. T. R. D. , ROCHA, V. H. L. (org.) Formação de Professores e Estágios Supervisionados: Relatos e Reflexões. São Paulo: Andross, 2004.
  • OLIVEIRA, D. L. de (org.). Ciências nas salas de aula. Porto Alegre: Mediação, 2002.
  • PIMENTA, S. G. O. Estágio na formação de Professores: unidade teoria e prática. 7. ed. São Paulo: Cortez, 2006.
  • BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. PCN 3o e 4o Ciclos do Ensino Fundamental: Introdução aos PCNs/ Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1997.
  • BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases. Lei no 9.394 de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, 1996.
  • BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais. Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1998.
  • CANDAU, V. M.(org.). Reinventar a escola. Petrópolis: Vozes, 2005. PIMENTA, S. G. (Org.). Didática e Formação de Professores: percursos e perspectivas no Brasil e em Portugal. São Paulo: Cortez, 2000.
  • SILVA, M. L. S. F. Estágio Curricular: contribuições para o rendimento de sua prática. Natal: Edufrn, 2005.
  • BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum curricular. Ministério da Educação, Brasília, DF: MEC, 2018. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf
TÓPICOS DE GEOFÍSICA
Professores
  • FRANCINEIDE AMORIM COSTA SANTOS
  • FRANCISCO ADJEDAM GOMES OLIVEIRA
Ementa

A Terra e suas origens, O interior da Terra, Tectônica Global; Atmosfera, clima e mudanças climáticas; Planeta Terra: passado, presente e futuro.

Bibliografia
  • CARVALHO, G. T. R. D. , ROCHA, V. H. L. (org.) Formação de Professores e Estágios Supervisionados: Relatos e Reflexões. São Paulo: Andross, 2004.
  • OLIVEIRA, D. L. de (org.). Ciências nas salas de aula. Porto Alegre: Mediação, 2002.
  • PIMENTA, S. G. O. Estágio na formação de Professores: unidade teoria e prática. 7. ed. São Paulo: Cortez, 2006.
  • BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. PCN 3o e 4o Ciclos do Ensino Fundamental: Introdução aos PCNs/ Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1997.
  • BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases. Lei no 9.394 de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, 1996.
  • BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais. Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1998.
  • CANDAU, V. M.(org.). Reinventar a escola. Petrópolis: Vozes, 2005. PIMENTA, S. G. (Org.). Didática e Formação de Professores: percursos e perspectivas no Brasil e em Portugal. São Paulo: Cortez, 2000.
  • SILVA, M. L. S. F. Estágio Curricular: contribuições para o rendimento de sua prática. Natal: Edufrn, 2005.
  • BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum curricular. Ministério da Educação, Brasília, DF: MEC, 2018. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf
FÍSICA E MEIO AMBIENTE
Professores
  • FRANCINEIDE AMORIM COSTA SANTOS
  • FRANCISCO ADJEDAM GOMES OLIVEIRA
Ementa

Mecânica da Energia. Conservação de Energia. Radiação solar: Características e Aquecimento, interação com a atmosfera e a biosfera e Balanço da energia radiante. Poluição do Ar e Uso de Energia. Aquecimento global e resíduos de calor. Eletromagnetismo e Geração de Eletricidade; Eletricidade de Fontes Solares, Eólicas e Hídricas. Energia Nuclear: Fissão. Efeitos e Usos da Radiação. Energia Geotérmica.

Bibliografia
  • CARVALHO, G. T. R. D. , ROCHA, V. H. L. (org.) Formação de Professores e Estágios Supervisionados: Relatos e Reflexões. São Paulo: Andross, 2004.
  • OLIVEIRA, D. L. de (org.). Ciências nas salas de aula. Porto Alegre: Mediação, 2002.
  • PIMENTA, S. G. O. Estágio na formação de Professores: unidade teoria e prática. 7. ed. São Paulo: Cortez, 2006.
  • BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. PCN 3o e 4o Ciclos do Ensino Fundamental: Introdução aos PCNs/ Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1997.
  • BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases. Lei no 9.394 de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, 1996.
  • BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais. Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1998.
  • CANDAU, V. M.(org.). Reinventar a escola. Petrópolis: Vozes, 2005. PIMENTA, S. G. (Org.). Didática e Formação de Professores: percursos e perspectivas no Brasil e em Portugal. São Paulo: Cortez, 2000.
  • SILVA, M. L. S. F. Estágio Curricular: contribuições para o rendimento de sua prática. Natal: Edufrn, 2005.
  • BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum curricular. Ministério da Educação, Brasília, DF: MEC, 2018. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf
CÁLCULO III
Professores
  • FRANCINEIDE AMORIM COSTA SANTOS
  • FRANCISCO ADJEDAM GOMES OLIVEIRA
Ementa

Funções de várias variáveis; Limite; Continuidade; Derivadas Parciais; Diferenciabilidade; Sequências e séries infinitas.

Bibliografia
  • CARVALHO, G. T. R. D. , ROCHA, V. H. L. (org.) Formação de Professores e Estágios Supervisionados: Relatos e Reflexões. São Paulo: Andross, 2004.
  • OLIVEIRA, D. L. de (org.). Ciências nas salas de aula. Porto Alegre: Mediação, 2002.
  • PIMENTA, S. G. O. Estágio na formação de Professores: unidade teoria e prática. 7. ed. São Paulo: Cortez, 2006.
  • BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. PCN 3o e 4o Ciclos do Ensino Fundamental: Introdução aos PCNs/ Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1997.
  • BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases. Lei no 9.394 de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, 1996.
  • BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais. Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1998.
  • CANDAU, V. M.(org.). Reinventar a escola. Petrópolis: Vozes, 2005. PIMENTA, S. G. (Org.). Didática e Formação de Professores: percursos e perspectivas no Brasil e em Portugal. São Paulo: Cortez, 2000.
  • SILVA, M. L. S. F. Estágio Curricular: contribuições para o rendimento de sua prática. Natal: Edufrn, 2005.
  • BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum curricular. Ministério da Educação, Brasília, DF: MEC, 2018. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf
MATEMÁTICA III
Professores
  • FRANCINEIDE AMORIM COSTA SANTOS
  • FRANCISCO ADJEDAM GOMES OLIVEIRA
Ementa

Polinômios: introdução e operações; Equações Polinomiais

Bibliografia
  • CARVALHO, G. T. R. D. , ROCHA, V. H. L. (org.) Formação de Professores e Estágios Supervisionados: Relatos e Reflexões. São Paulo: Andross, 2004.
  • OLIVEIRA, D. L. de (org.). Ciências nas salas de aula. Porto Alegre: Mediação, 2002.
  • PIMENTA, S. G. O. Estágio na formação de Professores: unidade teoria e prática. 7. ed. São Paulo: Cortez, 2006.
  • BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. PCN 3o e 4o Ciclos do Ensino Fundamental: Introdução aos PCNs/ Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1997.
  • BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases. Lei no 9.394 de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, 1996.
  • BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais. Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1998.
  • CANDAU, V. M.(org.). Reinventar a escola. Petrópolis: Vozes, 2005. PIMENTA, S. G. (Org.). Didática e Formação de Professores: percursos e perspectivas no Brasil e em Portugal. São Paulo: Cortez, 2000.
  • SILVA, M. L. S. F. Estágio Curricular: contribuições para o rendimento de sua prática. Natal: Edufrn, 2005.
  • BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum curricular. Ministério da Educação, Brasília, DF: MEC, 2018. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf
ELETRICIDADE E MAGNETISMO II
Professores
  • FRANCINEIDE AMORIM COSTA SANTOS
  • FRANCISCO ADJEDAM GOMES OLIVEIRA
Ementa

Campo Magnético. Fontes de Campo Magnético. Lei de Biot-Savart.Lei de Ampère. Força magnética. Indução magnética. Lei de Faraday. Lei de Lenz.Circuito RL. Oscilações eletromagnéticas e Correntes Alternadas. Circuito RLC. Equações de Maxwell. Espectro eletromagnético.

Bibliografia
  • CARVALHO, G. T. R. D. , ROCHA, V. H. L. (org.) Formação de Professores e Estágios Supervisionados: Relatos e Reflexões. São Paulo: Andross, 2004.
  • OLIVEIRA, D. L. de (org.). Ciências nas salas de aula. Porto Alegre: Mediação, 2002.
  • PIMENTA, S. G. O. Estágio na formação de Professores: unidade teoria e prática. 7. ed. São Paulo: Cortez, 2006.
  • BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. PCN 3o e 4o Ciclos do Ensino Fundamental: Introdução aos PCNs/ Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1997.
  • BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases. Lei no 9.394 de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, 1996.
  • BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais. Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1998.
  • CANDAU, V. M.(org.). Reinventar a escola. Petrópolis: Vozes, 2005. PIMENTA, S. G. (Org.). Didática e Formação de Professores: percursos e perspectivas no Brasil e em Portugal. São Paulo: Cortez, 2000.
  • SILVA, M. L. S. F. Estágio Curricular: contribuições para o rendimento de sua prática. Natal: Edufrn, 2005.
  • BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum curricular. Ministério da Educação, Brasília, DF: MEC, 2018. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf
QUÍMICA INORGÂNICA II
Professores
  • FRANCINEIDE AMORIM COSTA SANTOS
  • FRANCISCO ADJEDAM GOMES OLIVEIRA
Ementa

Teoria moderna da estrutura eletrônica; das teorias das ligações químicas covalentes e iônicas; da química dos compostos de coordenação; as teorias de ligações covalentes (teoria das ligações de valência teoria do campo cristalino e teoria dos orbitais moleculares) aplicadas a compostos de coordenação.

Bibliografia
  • CARVALHO, G. T. R. D. , ROCHA, V. H. L. (org.) Formação de Professores e Estágios Supervisionados: Relatos e Reflexões. São Paulo: Andross, 2004.
  • OLIVEIRA, D. L. de (org.). Ciências nas salas de aula. Porto Alegre: Mediação, 2002.
  • PIMENTA, S. G. O. Estágio na formação de Professores: unidade teoria e prática. 7. ed. São Paulo: Cortez, 2006.
  • BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. PCN 3o e 4o Ciclos do Ensino Fundamental: Introdução aos PCNs/ Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1997.
  • BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases. Lei no 9.394 de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, 1996.
  • BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais. Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1998.
  • CANDAU, V. M.(org.). Reinventar a escola. Petrópolis: Vozes, 2005. PIMENTA, S. G. (Org.). Didática e Formação de Professores: percursos e perspectivas no Brasil e em Portugal. São Paulo: Cortez, 2000.
  • SILVA, M. L. S. F. Estágio Curricular: contribuições para o rendimento de sua prática. Natal: Edufrn, 2005.
  • BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum curricular. Ministério da Educação, Brasília, DF: MEC, 2018. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf
QUÍMICA ORGÂNICA II
Professores
  • FRANCINEIDE AMORIM COSTA SANTOS
  • FRANCISCO ADJEDAM GOMES OLIVEIRA
Ementa

Estudo de grupos funcionais e as principais reações orgânicas: Exemplos de conversões funcionais variadas e sínteses orgânicas simplificadas; Exemplos de moléculas com propriedades físicas e/ou químicas e/ou biológicas interessantes e/ou com aplicações no cotidiano.

Bibliografia
  • CARVALHO, G. T. R. D. , ROCHA, V. H. L. (org.) Formação de Professores e Estágios Supervisionados: Relatos e Reflexões. São Paulo: Andross, 2004.
  • OLIVEIRA, D. L. de (org.). Ciências nas salas de aula. Porto Alegre: Mediação, 2002.
  • PIMENTA, S. G. O. Estágio na formação de Professores: unidade teoria e prática. 7. ed. São Paulo: Cortez, 2006.
  • BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. PCN 3o e 4o Ciclos do Ensino Fundamental: Introdução aos PCNs/ Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1997.
  • BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases. Lei no 9.394 de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, 1996.
  • BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais. Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1998.
  • CANDAU, V. M.(org.). Reinventar a escola. Petrópolis: Vozes, 2005. PIMENTA, S. G. (Org.). Didática e Formação de Professores: percursos e perspectivas no Brasil e em Portugal. São Paulo: Cortez, 2000.
  • SILVA, M. L. S. F. Estágio Curricular: contribuições para o rendimento de sua prática. Natal: Edufrn, 2005.
  • BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum curricular. Ministério da Educação, Brasília, DF: MEC, 2018. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf
ORIGEM DA VIDA E EVOLUÇÃO
Professores
  • FRANCINEIDE AMORIM COSTA SANTOS
  • FRANCISCO ADJEDAM GOMES OLIVEIRA
Ementa

Origem da vida na Terra. Surgimento das primeiras formas de vida (procariontes→eucariontes). Introdução ao pensamento evolucionista. Lamarckismo x Darwinismo. Especiação (conceito e tipos). Provas da evolução biológica. Teoria Moderna da Evolução. Fundamentos de sistemática filogenética; Construção e interpretação de cladogramas.

Bibliografia
  • CARVALHO, G. T. R. D. , ROCHA, V. H. L. (org.) Formação de Professores e Estágios Supervisionados: Relatos e Reflexões. São Paulo: Andross, 2004.
  • OLIVEIRA, D. L. de (org.). Ciências nas salas de aula. Porto Alegre: Mediação, 2002.
  • PIMENTA, S. G. O. Estágio na formação de Professores: unidade teoria e prática. 7. ed. São Paulo: Cortez, 2006.
  • BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. PCN 3o e 4o Ciclos do Ensino Fundamental: Introdução aos PCNs/ Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1997.
  • BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases. Lei no 9.394 de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, 1996.
  • BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais. Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1998.
  • CANDAU, V. M.(org.). Reinventar a escola. Petrópolis: Vozes, 2005. PIMENTA, S. G. (Org.). Didática e Formação de Professores: percursos e perspectivas no Brasil e em Portugal. São Paulo: Cortez, 2000.
  • SILVA, M. L. S. F. Estágio Curricular: contribuições para o rendimento de sua prática. Natal: Edufrn, 2005.
  • BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum curricular. Ministério da Educação, Brasília, DF: MEC, 2018. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf
HISTOLOGIA ANIMAL
Professores
  • FRANCINEIDE AMORIM COSTA SANTOS
  • FRANCISCO ADJEDAM GOMES OLIVEIRA
Ementa

Tecido epitelial (de revestimento e secretor); Tecido conjuntivo (características gerais e tecido conjuntivo propriamente dito); Tecido adiposo; Tecido cartilaginoso; Tecido ósseo; Tecido hematopoiético; Tecido sanguíneo; Tecido muscular e Tecido nervoso. Morfofisiologia e histogênese dos tecidos animais e humano.

Bibliografia
  • CARVALHO, G. T. R. D. , ROCHA, V. H. L. (org.) Formação de Professores e Estágios Supervisionados: Relatos e Reflexões. São Paulo: Andross, 2004.
  • OLIVEIRA, D. L. de (org.). Ciências nas salas de aula. Porto Alegre: Mediação, 2002.
  • PIMENTA, S. G. O. Estágio na formação de Professores: unidade teoria e prática. 7. ed. São Paulo: Cortez, 2006.
  • BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. PCN 3o e 4o Ciclos do Ensino Fundamental: Introdução aos PCNs/ Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1997.
  • BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases. Lei no 9.394 de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, 1996.
  • BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais. Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1998.
  • CANDAU, V. M.(org.). Reinventar a escola. Petrópolis: Vozes, 2005. PIMENTA, S. G. (Org.). Didática e Formação de Professores: percursos e perspectivas no Brasil e em Portugal. São Paulo: Cortez, 2000.
  • SILVA, M. L. S. F. Estágio Curricular: contribuições para o rendimento de sua prática. Natal: Edufrn, 2005.
  • BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum curricular. Ministério da Educação, Brasília, DF: MEC, 2018. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf
CÁLCULO IV
Professores
  • FRANCINEIDE AMORIM COSTA SANTOS
  • FRANCISCO ADJEDAM GOMES OLIVEIRA
Ementa

Integrais Múltiplas; Aplicações; Cálculo Vetorial. Equações Diferenciais Ordinárias.

Bibliografia
  • CARVALHO, G. T. R. D. , ROCHA, V. H. L. (org.) Formação de Professores e Estágios Supervisionados: Relatos e Reflexões. São Paulo: Andross, 2004.
  • OLIVEIRA, D. L. de (org.). Ciências nas salas de aula. Porto Alegre: Mediação, 2002.
  • PIMENTA, S. G. O. Estágio na formação de Professores: unidade teoria e prática. 7. ed. São Paulo: Cortez, 2006.
  • BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. PCN 3o e 4o Ciclos do Ensino Fundamental: Introdução aos PCNs/ Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1997.
  • BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases. Lei no 9.394 de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, 1996.
  • BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais. Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1998.
  • CANDAU, V. M.(org.). Reinventar a escola. Petrópolis: Vozes, 2005. PIMENTA, S. G. (Org.). Didática e Formação de Professores: percursos e perspectivas no Brasil e em Portugal. São Paulo: Cortez, 2000.
  • SILVA, M. L. S. F. Estágio Curricular: contribuições para o rendimento de sua prática. Natal: Edufrn, 2005.
  • BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum curricular. Ministério da Educação, Brasília, DF: MEC, 2018. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf
ÓTICA E FÍSICA MODERNA
Professores
  • FRANCINEIDE AMORIM COSTA SANTOS
  • FRANCISCO ADJEDAM GOMES OLIVEIRA
Ementa

Natureza e propagação da luz.Interferência eDifração.Relatividade. Fótons e Ondas de Matéria.Radiação de um corpo negro.Teoria quântica de Planck.Efeito fotoelétrico.Efeito Compton. A equação de Schrodinger; Princípio da Incerteza de Heisenberg. O modelo atômico de Bohr. Princípio da correspondência.

Bibliografia
  • CARVALHO, G. T. R. D. , ROCHA, V. H. L. (org.) Formação de Professores e Estágios Supervisionados: Relatos e Reflexões. São Paulo: Andross, 2004.
  • OLIVEIRA, D. L. de (org.). Ciências nas salas de aula. Porto Alegre: Mediação, 2002.
  • PIMENTA, S. G. O. Estágio na formação de Professores: unidade teoria e prática. 7. ed. São Paulo: Cortez, 2006.
  • BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. PCN 3o e 4o Ciclos do Ensino Fundamental: Introdução aos PCNs/ Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1997.
  • BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases. Lei no 9.394 de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, 1996.
  • BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais. Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1998.
  • CANDAU, V. M.(org.). Reinventar a escola. Petrópolis: Vozes, 2005. PIMENTA, S. G. (Org.). Didática e Formação de Professores: percursos e perspectivas no Brasil e em Portugal. São Paulo: Cortez, 2000.
  • SILVA, M. L. S. F. Estágio Curricular: contribuições para o rendimento de sua prática. Natal: Edufrn, 2005.
  • BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum curricular. Ministério da Educação, Brasília, DF: MEC, 2018. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf
FÍSICO QUÍMICA I
Professores
  • FRANCINEIDE AMORIM COSTA SANTOS
  • FRANCISCO ADJEDAM GOMES OLIVEIRA
Ementa

Sólidos, líquidos e gases. Termodinâmica: 1º, 2º e 3º princípios. Termoquímica.Propriedades coligativas.

Bibliografia
  • CARVALHO, G. T. R. D. , ROCHA, V. H. L. (org.) Formação de Professores e Estágios Supervisionados: Relatos e Reflexões. São Paulo: Andross, 2004.
  • OLIVEIRA, D. L. de (org.). Ciências nas salas de aula. Porto Alegre: Mediação, 2002.
  • PIMENTA, S. G. O. Estágio na formação de Professores: unidade teoria e prática. 7. ed. São Paulo: Cortez, 2006.
  • BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. PCN 3o e 4o Ciclos do Ensino Fundamental: Introdução aos PCNs/ Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1997.
  • BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases. Lei no 9.394 de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, 1996.
  • BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais. Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1998.
  • CANDAU, V. M.(org.). Reinventar a escola. Petrópolis: Vozes, 2005. PIMENTA, S. G. (Org.). Didática e Formação de Professores: percursos e perspectivas no Brasil e em Portugal. São Paulo: Cortez, 2000.
  • SILVA, M. L. S. F. Estágio Curricular: contribuições para o rendimento de sua prática. Natal: Edufrn, 2005.
  • BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum curricular. Ministério da Educação, Brasília, DF: MEC, 2018. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf
QUÍMICA ANALÍTICA I
Professores
  • FRANCINEIDE AMORIM COSTA SANTOS
  • FRANCISCO ADJEDAM GOMES OLIVEIRA
Ementa

Agentes Oxidantes e Redutores, Reações de precipitação e de oxi-redução. Equilíbrio Químico em Solução Aquosa, Equilíbrio.Químico em meio Heterogêneo. Equilíbrio de Complexação, Formação e dissolução dos precipitados. Análise por via seca e úmida. Analise sistemática de cátions e ânions.

Bibliografia
  • CARVALHO, G. T. R. D. , ROCHA, V. H. L. (org.) Formação de Professores e Estágios Supervisionados: Relatos e Reflexões. São Paulo: Andross, 2004.
  • OLIVEIRA, D. L. de (org.). Ciências nas salas de aula. Porto Alegre: Mediação, 2002.
  • PIMENTA, S. G. O. Estágio na formação de Professores: unidade teoria e prática. 7. ed. São Paulo: Cortez, 2006.
  • BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. PCN 3o e 4o Ciclos do Ensino Fundamental: Introdução aos PCNs/ Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1997.
  • BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases. Lei no 9.394 de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, 1996.
  • BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais. Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1998.
  • CANDAU, V. M.(org.). Reinventar a escola. Petrópolis: Vozes, 2005. PIMENTA, S. G. (Org.). Didática e Formação de Professores: percursos e perspectivas no Brasil e em Portugal. São Paulo: Cortez, 2000.
  • SILVA, M. L. S. F. Estágio Curricular: contribuições para o rendimento de sua prática. Natal: Edufrn, 2005.
  • BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum curricular. Ministério da Educação, Brasília, DF: MEC, 2018. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf
INTRODUÇÃO A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA
Professores
  • FRANCINEIDE AMORIM COSTA SANTOS
  • FRANCISCO ADJEDAM GOMES OLIVEIRA
Ementa

Educação Matemática como campo de atuação e de pesquisa; Tendências investigativas e metodológicas para o Ensino de Matemática; Construção de oficinas para o ensino de Matemática.

Bibliografia
  • CARVALHO, G. T. R. D. , ROCHA, V. H. L. (org.) Formação de Professores e Estágios Supervisionados: Relatos e Reflexões. São Paulo: Andross, 2004.
  • OLIVEIRA, D. L. de (org.). Ciências nas salas de aula. Porto Alegre: Mediação, 2002.
  • PIMENTA, S. G. O. Estágio na formação de Professores: unidade teoria e prática. 7. ed. São Paulo: Cortez, 2006.
  • BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. PCN 3o e 4o Ciclos do Ensino Fundamental: Introdução aos PCNs/ Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1997.
  • BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases. Lei no 9.394 de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, 1996.
  • BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais. Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1998.
  • CANDAU, V. M.(org.). Reinventar a escola. Petrópolis: Vozes, 2005. PIMENTA, S. G. (Org.). Didática e Formação de Professores: percursos e perspectivas no Brasil e em Portugal. São Paulo: Cortez, 2000.
  • SILVA, M. L. S. F. Estágio Curricular: contribuições para o rendimento de sua prática. Natal: Edufrn, 2005.
  • BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum curricular. Ministério da Educação, Brasília, DF: MEC, 2018. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf
INVERTEBRADOS
Professores
  • FRANCINEIDE AMORIM COSTA SANTOS
  • FRANCISCO ADJEDAM GOMES OLIVEIRA
Ementa

Princípios zoológicos e a Ciência da Zoologia; Características gerais dos animais; Classificação e filogenia dos animais; Poríferos; Cnidários; Platelmintos, Nematelmintos; Moluscos; Anelídeos; Artrópodes; Equinodermos.

Bibliografia
  • CARVALHO, G. T. R. D. , ROCHA, V. H. L. (org.) Formação de Professores e Estágios Supervisionados: Relatos e Reflexões. São Paulo: Andross, 2004.
  • OLIVEIRA, D. L. de (org.). Ciências nas salas de aula. Porto Alegre: Mediação, 2002.
  • PIMENTA, S. G. O. Estágio na formação de Professores: unidade teoria e prática. 7. ed. São Paulo: Cortez, 2006.
  • BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. PCN 3o e 4o Ciclos do Ensino Fundamental: Introdução aos PCNs/ Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1997.
  • BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases. Lei no 9.394 de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, 1996.
  • BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais. Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1998.
  • CANDAU, V. M.(org.). Reinventar a escola. Petrópolis: Vozes, 2005. PIMENTA, S. G. (Org.). Didática e Formação de Professores: percursos e perspectivas no Brasil e em Portugal. São Paulo: Cortez, 2000.
  • SILVA, M. L. S. F. Estágio Curricular: contribuições para o rendimento de sua prática. Natal: Edufrn, 2005.
  • BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum curricular. Ministério da Educação, Brasília, DF: MEC, 2018. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf
BOTÂNICA CRIPTOGÂMICA
Professores
  • FRANCINEIDE AMORIM COSTA SANTOS
  • FRANCISCO ADJEDAM GOMES OLIVEIRA
Ementa

Características principais, ciclo de vida e classificação, importância ecológica, econômica e distribuição geográfica dos principais grupos de plantas avasculares (Briófitas), vasculares sem sementes (Pteridófitas) Sistemas de classificação; Grupos taxonômicos; tipos nomenclaturais; origem e evolução das Cryptogamae; Incluindo: algas, líquens e musgo.

Bibliografia
  • CARVALHO, G. T. R. D. , ROCHA, V. H. L. (org.) Formação de Professores e Estágios Supervisionados: Relatos e Reflexões. São Paulo: Andross, 2004.
  • OLIVEIRA, D. L. de (org.). Ciências nas salas de aula. Porto Alegre: Mediação, 2002.
  • PIMENTA, S. G. O. Estágio na formação de Professores: unidade teoria e prática. 7. ed. São Paulo: Cortez, 2006.
  • BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. PCN 3o e 4o Ciclos do Ensino Fundamental: Introdução aos PCNs/ Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1997.
  • BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases. Lei no 9.394 de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, 1996.
  • BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais. Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1998.
  • CANDAU, V. M.(org.). Reinventar a escola. Petrópolis: Vozes, 2005. PIMENTA, S. G. (Org.). Didática e Formação de Professores: percursos e perspectivas no Brasil e em Portugal. São Paulo: Cortez, 2000.
  • SILVA, M. L. S. F. Estágio Curricular: contribuições para o rendimento de sua prática. Natal: Edufrn, 2005.
  • BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum curricular. Ministério da Educação, Brasília, DF: MEC, 2018. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf
INSTRUMENTAÇÃO PARA O ENSINO DE FÍSICA I
Professores
  • FRANCINEIDE AMORIM COSTA SANTOS
  • FRANCISCO ADJEDAM GOMES OLIVEIRA
Ementa

Análise de livros didáticos para o ensino de Física. Resolução de problemas em Física. Concepções espontâneas. O papel da Matemática na construção e no ensino da Física. Laboratório didático e atividades experimentais no ensino de Física. Avaliação da aprendizagem em aulas de Física, em vestibulares e em exames oficiais. Elaboração e desenvolvimento de planos de aula para o ensino médio.

Bibliografia
  • CARVALHO, G. T. R. D. , ROCHA, V. H. L. (org.) Formação de Professores e Estágios Supervisionados: Relatos e Reflexões. São Paulo: Andross, 2004.
  • OLIVEIRA, D. L. de (org.). Ciências nas salas de aula. Porto Alegre: Mediação, 2002.
  • PIMENTA, S. G. O. Estágio na formação de Professores: unidade teoria e prática. 7. ed. São Paulo: Cortez, 2006.
  • BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. PCN 3o e 4o Ciclos do Ensino Fundamental: Introdução aos PCNs/ Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1997.
  • BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases. Lei no 9.394 de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, 1996.
  • BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais. Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1998.
  • CANDAU, V. M.(org.). Reinventar a escola. Petrópolis: Vozes, 2005. PIMENTA, S. G. (Org.). Didática e Formação de Professores: percursos e perspectivas no Brasil e em Portugal. São Paulo: Cortez, 2000.
  • SILVA, M. L. S. F. Estágio Curricular: contribuições para o rendimento de sua prática. Natal: Edufrn, 2005.
  • BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum curricular. Ministério da Educação, Brasília, DF: MEC, 2018. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf
INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO
Professores
  • FRANCINEIDE AMORIM COSTA SANTOS
  • FRANCISCO ADJEDAM GOMES OLIVEIRA
Ementa

Tipos e estruturas de dados simples: constantes, variáveis, escalares, cadeia de caracteres, conjuntos, vetores, matrizes. Expressões e comandos de atribuição. Comandos de entrada e saída. Introdução de uma linguagem de programação científica: Fortran 77/90/95 ou C/C++. Introdução a métodos numéricos: operações numéricas básicas, problemas de contorno e de autovalores, soluções de sistemas dinâmicos.

Bibliografia
  • CARVALHO, G. T. R. D. , ROCHA, V. H. L. (org.) Formação de Professores e Estágios Supervisionados: Relatos e Reflexões. São Paulo: Andross, 2004.
  • OLIVEIRA, D. L. de (org.). Ciências nas salas de aula. Porto Alegre: Mediação, 2002.
  • PIMENTA, S. G. O. Estágio na formação de Professores: unidade teoria e prática. 7. ed. São Paulo: Cortez, 2006.
  • BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. PCN 3o e 4o Ciclos do Ensino Fundamental: Introdução aos PCNs/ Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1997.
  • BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases. Lei no 9.394 de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, 1996.
  • BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais. Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1998.
  • CANDAU, V. M.(org.). Reinventar a escola. Petrópolis: Vozes, 2005. PIMENTA, S. G. (Org.). Didática e Formação de Professores: percursos e perspectivas no Brasil e em Portugal. São Paulo: Cortez, 2000.
  • SILVA, M. L. S. F. Estágio Curricular: contribuições para o rendimento de sua prática. Natal: Edufrn, 2005.
  • BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum curricular. Ministério da Educação, Brasília, DF: MEC, 2018. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf
FILOSOFIA E HISTÓRIA DA BIOLOGIA
Professores
  • FRANCINEIDE AMORIM COSTA SANTOS
  • FRANCISCO ADJEDAM GOMES OLIVEIRA
Ementa

O surgimento a biologia como ciência. As tentativas de definir a vida. Hipóteses de origem da vida. A teoria celular. Da teoria da força vital a bioquímica moderna. Os sistemas de classificação da vida de Carol Linnaeus a Willi Hennig. A evolução biológica desde Maupertuis, Diderot, Erasmus Darwin, Lamark, Wallace, Charles Darwin e o Neodarwinismo. Genética mendeliana a genética molecular moderna. Ernest Haeckel e a história da ecologia. Conceitos de biodiversidade.

Bibliografia
  • CARVALHO, G. T. R. D. , ROCHA, V. H. L. (org.) Formação de Professores e Estágios Supervisionados: Relatos e Reflexões. São Paulo: Andross, 2004.
  • OLIVEIRA, D. L. de (org.). Ciências nas salas de aula. Porto Alegre: Mediação, 2002.
  • PIMENTA, S. G. O. Estágio na formação de Professores: unidade teoria e prática. 7. ed. São Paulo: Cortez, 2006.
  • BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. PCN 3o e 4o Ciclos do Ensino Fundamental: Introdução aos PCNs/ Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1997.
  • BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases. Lei no 9.394 de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, 1996.
  • BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais. Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1998.
  • CANDAU, V. M.(org.). Reinventar a escola. Petrópolis: Vozes, 2005. PIMENTA, S. G. (Org.). Didática e Formação de Professores: percursos e perspectivas no Brasil e em Portugal. São Paulo: Cortez, 2000.
  • SILVA, M. L. S. F. Estágio Curricular: contribuições para o rendimento de sua prática. Natal: Edufrn, 2005.
  • BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum curricular. Ministério da Educação, Brasília, DF: MEC, 2018. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf
TÓPICOS INTRODUTÓRIOS EM TEORIAS DO CONHECIMENTO E APRENDIZAGEM APLICADOS AO ENSINO DE CIÊNCIAS E DE FÍSICA
Professores
  • FRANCINEIDE AMORIM COSTA SANTOS
  • FRANCISCO ADJEDAM GOMES OLIVEIRA
Ementa

Gênese da área de Ciências da Natureza na educação básica e, em particular, da disciplina de Física no currículo escolar; introdução ao estudo da psicologia aplicada ao ensino e à aprendizagem de conteúdos de Física (do behaviorismo às teorias interacionistas); a perspectiva sociocultural no ensino de Física; estudo das relações entre professores e alunos.

Bibliografia
  • CARVALHO, G. T. R. D. , ROCHA, V. H. L. (org.) Formação de Professores e Estágios Supervisionados: Relatos e Reflexões. São Paulo: Andross, 2004.
  • OLIVEIRA, D. L. de (org.). Ciências nas salas de aula. Porto Alegre: Mediação, 2002.
  • PIMENTA, S. G. O. Estágio na formação de Professores: unidade teoria e prática. 7. ed. São Paulo: Cortez, 2006.
  • BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. PCN 3o e 4o Ciclos do Ensino Fundamental: Introdução aos PCNs/ Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1997.
  • BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases. Lei no 9.394 de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, 1996.
  • BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais. Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1998.
  • CANDAU, V. M.(org.). Reinventar a escola. Petrópolis: Vozes, 2005. PIMENTA, S. G. (Org.). Didática e Formação de Professores: percursos e perspectivas no Brasil e em Portugal. São Paulo: Cortez, 2000.
  • SILVA, M. L. S. F. Estágio Curricular: contribuições para o rendimento de sua prática. Natal: Edufrn, 2005.
  • BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum curricular. Ministério da Educação, Brasília, DF: MEC, 2018. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf
Conheça o processo e as formas de admissão

Ajude-nos a melhorar esta página

Você sugere alguma correção ou melhoria?

Unidade responsável por esta página: Ciências e matematica.